30 agosto 2012

Existe Brahms


I

nossos intelectuais
estão certos
de que preveem o futuro
(...)
mas deveriam fazê-lo
acendendo
(antes)
uma vela
no (v)entre do escuro...

II

dizem
ter descoberto
a “partícula de Deus”
(o homem
procura a sabedoria
como se procurasse uma palha
em um palheiro
a esmo)
só o que lamento
é que nunca encontraram
a partícula de si mesmo

III

perguntam-me
qual afinal
a minha esperança...
ora, eu não escolho esperanças
eu espero o que vem...
não espero
por exemplo
que tu, ser humano
me ames.

fora isso...
existe Brahms

3 comentários:

Lara Amaral disse...

Ótimos poemas, afiados, gostei muito de ler.

Beijo!

Luiz Alfredo disse...

Mui belo poeta
por que os versos
filosofam
sobre a essência
do ser
sem ser filosofia
hermenêutica
ontologia pura
mas versos que vão
nas profundezas
desta nossa vida
ocidental
pós-moderna
bem poesia
ultra visceral

Luiz Alfredo - poeta

Alyne Figueiredo disse...

Parabéns pelo poema!
Um dos que mais gostei, realmente...

Uma linda semana pra você!
Abraços,
Alyne.