01 junho 2012

Carta a Cada Um de Vocês

“sim, tu és livre para fazeres

desde que faças aquilo que eu disser
para tu fazeres
porque eu sei o que deve ser feito
e sei os motivos
que pertencem tão somente a mim
e são consequentemente perfeitos e justos
e o certo é o que eu digo
não pode haver uma verdade
que vá contra a minha verdade
(eu sou a verdade)
ou uma opinião que se exista
como sendo correta
se não for aceita por mim
de antemão
e já deixo como determinado
que quem duvidar de minhas palavras
não pode ser levado a sério

sim, tu és livre para pensares e sentires

desde que penses e sintas
da forma como eu julguei
que assim deveria se pensar e se sentir
afinal
a razão é minha
e na razão está a única forma
não só de se pensar
mas também de se sentir
o que é correto
para ser sentido
nada pode ir além das justas barreiras
que construí
para o bem estar de todos
acredite
tudo o que faço
é para o seu próprio bem

há uma medida
eu sou essa medida
o ponto colocado como determinante
que tudo sabe e tudo estabelece
não pode haver vida além de mim
e, havendo
cai em erro imperdoável
e que não será perdoado
pois ninguém tem a permissão
para ir além de mim
de destacar-se fora dos padrões
ou permitir-se o que quer que seja
se eu não disser que assim é
de acordo com os mandamentos
estabelecidos como lei suprema
por aquela que todos adoramos
a sagrada e santa
Deusa Mídia”

Assina:  A Sociedade

3 comentários:

Júlia Brum disse...

A mais pura realidade em estreitos versos a dizerem o que cada um de nós deveria ler. Meus parabéns

Lua. disse...

Olá adorei seu blog bjs.

Lua. disse...

Olá adorei seu blog bjs.