11 maio 2012

Revista Veja e a Imprensa Comprada

É claro que a imprensa em geral não está divulgando muito, como é o caso da Globo e suas afilhadas, que não estão divulgando nada, pois sempre tiveram conluio com a Veja, mas  fato é que a revista semanal de maior circulação do Brasil exibia reportagens DITADAS por um bicheiro corrupto e corruptor, ladrão do dinheiro público, o famoso Carlinhos Cachoeira.

O caso está sendo divulgado por vários blogs Brasil afora, e a reportagem foi veiculada pelo jornal Correio do Povo de 8 de maio, na página 8. Segundo o jornal, as "informações" do Cachoeira resultaram em, no mínimo, cinco capas da revista Veja. Quando o bicheiro queria, por exemplo, a demissão de funcionários de ministérios que atrapalhavam os seus interesses e o da construtora Delta, ele falava com o diretor da Veja em Brasília, Policarpo Júnior, e "sugeria" certas matérias com determinadas informações. Foi o que aconteceu com o Ministério dos Transportes de Dilma. Parece que a cúpula desse ministério havia se desentendido com Cládio Abreu, diretor da construtora Delta e aliado de Cachoeira. Acompanhem o diálogo abaixo, que está em uma das inúmeras gravações de conversas de Cachoeira feitas pela polícia.  O diálogo se dá entre Cachoeira e Cláudio Abreu, diretor da Delta:

Cláudio: Você chegou a ler a matéria deles hoje, não?
Cachoeira: Não, o que falou? Foi boa?
Cláudio: "Agora, às 15h12min, a Presidente Dilma Rousseff convoca ministro dos Transportes e manda afastar todos os citados na reportagem da Veja..."
Cachoeira: É mesmo? A reportagem saiu e ela mandou afastar todo mundo?
Cláudio: Já mandou afastar todo mundo! Fodeu! Essa matéria fodeu pra cacete! E ele ainda citou a reunião!

Querem ler mais conversas? Procurem no Correio do Povo ou em blogs, há muitos divulgando. 
E assim caminha a imprensa brasileira. Comprada. Dizem que a imprensa é livre. Ótimo. Mas livre para o quê? Livre também para se vender e para veicular notícias do interesse de cafajestes?
A imprensa é livre para mostrar somente um lado das questões, coincidentemente o que lhe interessa? É livre para ocultar certas verdades? Para manipular informações de acordo com os interesses de quem paga mais? E pior, para criar notícias falsas mesclando trechos de verdade?

E em Santiago?  A nossa impressa aqui não se vende? Não serve a interesse de terceiros? Também é livre para se vender? Estou perguntando, é bom questionar.

Balzac escreveu: "Se a impressa não existisse, seria preciso NÃO inventá-la."  É claro que essa frase não é para ser levada ao pé da letra nos dias de hoje. A imprensa é necessária. Talvez um mal necessário. Mas que a frase de Balzac nos deve fazer refletir e nos deixar bastante atentos... Ah, isso deve.

Um comentário:

Natália Campos disse...

Cenas como essa me entristecem. Mas não por isso vou parar de fazer jornalismo. Eu gosto da graduação e desejo fazer a diferença. Gosto de suas críticas, Reiffer. Gosto daqui.

Beijos!