02 maio 2012

(des) Graça

tempos paradoxais
(em que deves ser feliz
com teus egoísmos
individuais)
e tornou-se engraçado
como de risível
(nos dois sentidos)
há esta humanidade tornado
o seu sem-sentido
num mundo-circo sem graça
(nos três sentidos)

por mais que a Terra seja aniquilada
não falta sequer um motivo
de riso
ou um siso
de piada

pesar de aves massacradas...
pairam sobre ti levianas
as asas das gargalhadas

e aos olhos da desgraça dos tempos
a dor tornou-se sarcasmo
o amor:  deboche
o poema:  ironia
ah... o branco de saliva entre dentes
e o negro entre a água sombria...

sorria!
que este planeta aos estilhaços
tornou-se um palco de palhaços...

2 comentários:

Sónia M. disse...

Não se riu...
se choro...
ou se me recolho no silêncio...
enquanto assisto ao espetáculo...

(Adorei)

Beijo
Sónia

Alê disse...

e dividiu-se entre aqueles que podem, e os que nunca conseguem, ver o espetáculo,


bjkas