02 abril 2012

O Meu Ato

é alto o perigo em ser poeta
(ah quem dera
fosse só perigo...)
há que se andar sobre o rio da navalha
(ah quem dera
fosse um sol comigo...)
a que me destino
e a voz rouca do infortúnio mudo
há que virar hino...

para esperar-te no onde me esperam
de minhas esperanças
ao vento
tornado assassino
perdi-me
encontrando para outros
o intento
tornado escravo
dos versos livres
que me imagino...

lá nos confins do que se finda
em busca do que não estava
“vim, vi e venci”
e o deixei
sobre o leito de granizo
e piso
e parto
(partindo sem fato)
um após deixando
como meu ato

mas não pedirei nem um não
de gratidão

5 comentários:

Mirze Souza disse...

Reiffer!

É muito alto o perigo que nos expõe a riscos. Mas somos VOZ que a alguns é alento.

Beijos, poeta!

Mirze

Dante disse...

Grande Reiffer, disseste com maestria! Um abraçO!

Daniela Delias disse...

Aqui é tudo sempre tão bonito e intenso!

Um beijão,

Dani

Alê disse...

Já fui espera... Hoje prefiro ser a partida...

Ligeia disse...

Belíssimo, Reiffer!...