29 fevereiro 2012

Amianto: "O produto industrial que mais mortes vai causar na história da humanidade”.

O leitor sabe o que é amianto? É um produto industrial altamente prejudicial à saúde. É o principal material da maior parte das construções. O problema é que a grande maioria das pessoas desconhece onde ele é encontrado.  Já foi proibido na maioria dos países desenvolvidos, embora continue sendo usado. Atualmente, ameaça em maior escala a população dos países mais pobres .  Sabiam que o Brasil é um dos maiores produtores mundiais de amianto?

Francisco Puche, membro da organização Ecologistas em Ação, editor, escritor, que faz parte da Federação Nacional de Vítimas do Amianto, explica que "já existiram até três mil produtos de diferentes tamanhos e condições que continham amianto."

A exposição ao amianto atualmente pode ser ocupacional, doméstica ou ambiental. Em um estudo publicado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), no ano de 2006, estimava-se em cem mil o número de pessoas que morrem por ano no mundo como consequência da exposição ao amianto.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), em um relatório realizado em 2010, assegurava que no mundo há cerca de 125 milhões de pessoas expostas ao amianto no local de trabalho e, segundo cálculos desta organização, a exposição laboral causa mais de 110 mil mortes anuais por causa de câncer de pulmão relacionadas com esse material. 

Câncer de pulmão. O curioso é que no Brasil culpa-se apenas o cigarro pelos casos de câncer de pulmão. Por que ninguém fala nada sobre o amianto? Por que tais dados não são divulgados para a população em geral? Ah, creio que é porque o Brasil quer se desenvolver a qualquer custo. E, para tanto, amianto não pode faltar.

Além disso, afirmava o relatório, um terço das mortes por causa de câncer de origem laboral são causadas pelo amianto. Para Puche, o amianto é "talvez o produto industrial que mais mortes vai causar na história da humanidade”.

Segundo a Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto (Abrea), o mineral é utilizado em quase 3 mil produtos industriais, como telhas e caixas d'água. O baixo custo do produto e sua alta resistência favorecem o consumo.

Outra das arbitrariedades que se cometem, diz o ecologista e escritor, é que "países onde seu uso é proibido, como no Canadá, o amianto é extraído mas não consumido, sendo exportado para outros para que o transformem. 

"Costuma-se assegurar que o amianto não prejudica mais a saúde, mas isso não é verdade, porque constantemente ele está sendo quebrado ou manipulado e, como por cada 12 milímetros de largura de uma placa pode sair um milhão de fibras que podem ser inaladas, se torna um enorme risco cancerígeno. Há gente que com uma dose muito pequena pode contrair câncer de pulmão depois de 30 ou 40 anos.

Fonte: Blog Terra Brasilis

11 comentários:

Joguete do Destino disse...

Enquanto se tiver ganhando dinheiro, a população que se lixe.
E pôr a culpa no cigarro, é mais cômodo do que sessar a fabricação de amianto, pq como vc mesmo falou: "Ah, creio que é porque o Brasil quer se desenvolver a qualquer custo. E, para tanto, amianto não pode faltar."
E como são as condições sociais aqui do Brasil, os poderosos se aproveitam realmente dos mais pobres para trabalhar para eles, e os desinformados continuam comprando, se o amianto continua sendo produzido é pq tem gente que compra.

Abraço, ana karoline.

Patty Almeida disse...

Essa ‘‘falta de informação’’ ocorre devido ao tipo de política que ainda vivenciamos! A população crê na mídia e, a mídia, por sua vez, expõe aquilo que não é de interesse real do povo! Isso pode ser explicado como uma tática moderna da política do ‘‘Pão e Circo’’ vivenciada pelos camponeses romanos (desempregados na época)! Porém, não podemos ser hipócritas afirmando que toda a culpa é do governo, pois o povo tem condições de reivindicar seus direitos, valores e ideais, e não o faz por comodismo! O comodismo é o grande mal deste século, ao contrário do que os grandes pesquisadores das ciências médicas explanam, o nosso problema não é a depressão e sim a falta de interesse em assumirmos uma posição de transformadores sociais e sairmos destes personagens vitimistas que se auto flagela em grande escala!

F. Otavio M. Silva disse...

Você realmente conseguiu criar uma atmosfera fantástica nesse blog, maravilhou-me tudo no blog, principalmente o tema: O Fim. Quanto à postagem achei muito interessante o amianto, vou pesquisar mais sobre ele.

F. Otávio M. Silva
http://www.surfistadebanzeiro.com

MIRZE disse...

REIFFER!

Quando os pobres e trabalhadores souberem o que é amianto e como faz mal, ainda assim não podem se rebelar contra, pois perderiam o emprego. Os EUA difundiram assustadoramente o cigarro. Certamente, o amianto que eles também usam, só causa câncer em quem fuma.

Meu Deus!

Excelente

Beijos

Mirze

Jéssica do Vale disse...

Acompanhas-me
e também,
acompanhar-te-ei.
-

Bem discutivo
o texto.
Estou a seguir-te.

Alê disse...

Fico imaginando quantos produtos mais, existem por aí, e deles fazemos uso, sem que imaginemos o risco que representam,



Bjkas

Odésia disse...

Em Joinville, Santa Catarina, a Vereadora Tânia Eberhardt, entrou duas vezes com um Projeto de Lei, que trata do Banimento de Produtos que contém AMIANTO, em função da constatação histórica de vários Países, de pessoas que foram contaminadas com o pó do AMIANTO e acabaram morrendo pelo desencadeamento de um Câncer. Bem, para encurtar a história, o Projeto foi vetado pelo Prefeito, em função até do apelo das fabricas que fabricam produtos com AMIANTO. Neste mandato (2009-2012), a Vereadora entrou novamente com o Projeto de Lei, só que desta vez, com uma nova configuração: "...Proibindo esses produtos dentro do Serviço Público (em construções, produtos na SAÚDE, entre outros...). Bem, vocês não imaginem o poder, a gritaria da Indústria sobre esta AÇÃO!

Ligéia disse...

Eu sabia das telhas de amianto, que me parece que foram proibidas, mas das caixas d'água... Nossa,será que a caixa d'água do meu prédio é de amianto??!! Vou perguntar para o síndico. Mas, e se for? Vão trocar só porque eu quero? Jesus!
Que absurdo tudo isso! Mas o que não é absurdo aqui?
Muito bom esse post, Reiffer.

L. J. Santos disse...

O amianto é um produto químico de grau máximo que provoca morte lenta muito sofrida a impregnação de micros fibras praticamente em todos os órgãos do corpo humano e até nas corrente sanguíneas provoca enrijecimento do tecido e com isso fortes dores, mas o amianto não mata só pela exposição ao pó maldito, os invencioneiros que utiliza a fibra assassina como matéria prima também ataca os trabalhadores que reivindica seus direitos se junta a advogados, juízes, políticos, estatais e até civis inescrupulosos para retalhar trabalhadores indefesos,
Verifica-se que Há dados contraditórios quando afirmam que uma certa empresa reconhece "aproximadamente cem doentes", quando nas últimas linhas de um comunicado mencionado que a empresa realizou 3.500 acordos extrajudiciais. Será que as incautas comunicantes acreditam que a empresa seja tão generosa que, em plena crise econômica global e da própria sobrevivência de sua atividade, banida em mais de 58 países e 04 estados do Brasil, esteja distribuindo dinheiro entre os seus ex-empregados para promover a tão sonhada justiça social?

L. J. Santos disse...

Mineral tóxico– Utilizado na produção de telhas, caixas d`água, guarnições de freio, revestimento de discos de embreagem, tintas, pisos vinílicos e até em tecidos, o mineral comprovadamente provoca câncer e outras doenças fatais (como insuficiência respiratória, asbestose e mesotelioma maligno de pleura), o que já levou 66 países a proibirem o seu uso. No Brasil, seis estados e 20 municípios seguiram o exemplo. Diversas empresas nacionais foram condenadas pela Justiça a indenizar famílias de funcionários vítimas de doenças decorrentes da aspiração do pó de amianto.

Luiz Carlos Bordoni disse...

Nada do que se lê neste post tem fundamentação. É mera difusão de interesses de grupos empresariais em declarada guerra econômica. Enquanto houver amianto, as telhas da Brasilit continuarão encalhadas.Como banir algo que está na natureza, em 2/3 da superfície terrestre? Se dominamos o uso do átomo, não vamos controlar uma simples fibra (que, aliás, já está controlada)? Que a ciência decida, não senhoras histéricas e nem movimentos bancados pela concorrência em desvantagem.