14 janeiro 2012

Tratado Rápido de Poesia Insensata (e Outras Histórias Bonitas)

I

o coração do poeta
deve ser como um pano
que está sempre em valde:
absorver tudo
para depois torcer
dentro do vazio
de um balde

II

chorar
é saber que se sabe
ou cedo
ou tarde

III

poeta
é quem nunca te desistes
e com um só arrependimento:
o de não ter escrito
ainda mais tristes

IV

quando necessito ouvir...

vou à beira dos banhados
escutar o coaxar dos sapos
e o matraquear dos patos
abaixo de tempestades...

é o que faço
quando necessito ouvir verdades


2 comentários:

Ligéia disse...

Linda insensatez, Reiffer.

Adorei.

beijos.

Victor Said disse...

Um tratado assim deve ser assinado pelos primeiros poetas que sentiram no alvorecer o nascer da poesia. Quanto mais eu leio você, mais me encontro em seus versos, impressionante.