25 janeiro 2012

Não quer dizer...

eu sei que há.
que há o quê?
o próprio há de haver
que há de haver
mesmo o que não se é.
eu sei que ser.

eu sei que à.
não quer dizer que eu vá
ao lá
mas não quer dizer que não à
como ir.

eu sei que vir.
não quer dizer que eu vieste
mas algo por mim que há...
se eu não for com o que vai
não quer dizer que eu não foste

eu sei que hão
de
ainda que a mim há o não
não quer dizer que o hão não há
porque eu não fui
não quer dizer que não está

em fim:
eu sei que
ah...



5 comentários:

Victor Said disse...

Reticências e reticências. Estas dizem alguma coisa? Só o mistério e o que a imaginação permite.

Davi Machado disse...

Um poema bem elaborado, notável e impressionante!

Nadine Granad disse...

Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa (suspiros e euforia)...

Adorei!!! Há o a de a à ah!!!


Beijos =)

Dellone disse...

Impressionado !
conseguiu dar formas ao que não tem
de forma incrível . Belíssima obra Lord , parabéns!

______

Agradeço vossa ilustre visita ao SILENCE ... é sempre muito bem vindo
por lá! ...

Até breve Lord!

-> silenceshadows.blogspot.com

Rúbida Rosa disse...

"em fim:
eu sei que
ah..."

Gostei da "chave de ouro"...

Agradeço a visita e comentário.