29 novembro 2011

Feira do Livro é Entretenimento?

As pessoas me perguntam o que achei da Feira do Livro de Santiago. Já disse aqui que não aprecio feiras de livros. Não condeno quem as aprecia, é apenas a minha visão particular. Mas digo que a feira de Santiago estava muito bonita, bem organizada, atraente, sem dúvida. Mas o problema das feiras de livros, a meu ver, não é esse. E não estou falando da Feira de Santiago em particular, mas de todas as feiras país afora. O problema é que eu percebo que a relação custo/benefício para a literatura não parece compensar. O investimento é muito alto se levarmos em conta o retorno literário. E não me refiro só ao retorno para os autores que participam, refiro-me também ao retorno para a literatura em geral e para a formação de novos leitores. 

As feiras, em praticamente todo o país (ver a interessante postagem no blog do Ruy Gessinger sobre a Feira do Livro de Porto Alegre), transformaram-se em um evento de entretenimento, muito mais do que um evento literário. As pessoas são levadas para a feira por uma série de belas e sedutoras atrações, muitas delas com um custo altíssimo para as prefeituras (e, indiretamente, claro, para o contribuinte), e vão até lá, divertem-se, assistem a espetáculos, comem e bebem, recebem alguns autógrafos, conhecem alguns escritores, dão uma olhada geral nos livros, mas não se tornam leitores, na maior parte dos casos, e não estão realmente interessadas em literatura, em leitura, mas sim em se divertir, ver os shows, em conhecer novas pessoas, enfim... 


A literatura acaba sendo a última preocupação. Certa vez perguntei a uma turma de alunos se eles iriam começar a ler após ter visitado a feira. Começar, nenhum afirmou que iria. Os que já liam, continuariam lendo, os que não liam,  não iriam começar devido à feira. Alguns disseram que "feira de livro é só pra se divertir."  E, do jeito que são feitas, tenho que concordar com eles. 

E alguns que querem comprar livros acabam esbarrando em seus preços estratosféricos. Como bem disse o Ruy Gessinger, "feira de livro é sebo". Na Feira de Santiago havia o famoso "Sebo do Tide", como é mais conhecido aqui em Santiago, e ali comprei alguns livros usados e baratos. De resto, o comércio de livros beirava o absurdo. Quando que um leitor iniciante vai comprar algum livro com tais preços? 


É nesse sentido que falo que o investimento em feiras de livros está equivocado. Na minha opinião, deveria reduzir-se os eventos, os espetáculos, e as prefeituras poderiam investir em trazer livros mais baratos para a população, pagando uma parte dos valores para as livrarias.  E poderiam apoiar os escritores locais não só disponibilizando lugares nas feiras  para lançarem seus livros, mas desenvolvendo uma política de incentivos financeiros a quem escreve. Aí sim uma Feira do Livro começaria a cumprir seu papel. Porque no momento está longe disso.  Paga-se uma fortuna para se trazer um escritor de fora, muitas vezes medíocre, enquanto os nossos escritores penam para poder lançar um livro, e os nossos leitores com menor poder aquisitivo vão à feira apenas para comprar uma lembrancinha, e olhe lá, porque os livros estão definitivamente além de suas capacidades.

Na minha opinião, deve-se conceber uma Feira do Livro de forma mais séria e mais comprometida com o que deveria ser seu objetivo: a LEITURA. Não digo que não se tragam atrações, mas que se pense muito mais no investimento efetivo em prol da literatura e não só em eventos sensacionalistas, em exibicionismo de uns poucos e em promoção política de alguns, pensando-se nos votos das próximas eleições. Isso vale para todas as "Feiras do Livro". 


28 novembro 2011

Sol, para que Surgir?

se sabes que vais
(por favor, não vás...)
fazer com que acordem
(cala os teus acordes!)
infinitas multidões
de mulambentas múmias humanas
marionetes mecânicas
pelas ruas astralmente
imundiciadas
lá vão elas
por entre poeiras e cadelas
em seus vazios cheios de nadas
com um sorriso fingido
entre as duas orelhas
que enfeitam cabeças
de retardadas

Sol, para que iluminar?
iluminar o quê?
que luz que entrará
naqueles porões de ratos
(afundados em fúteis trabalhos)
dos humanos corações?
o coração...
nada mais que um músculo gorduroso
entre dois estúpidos pulmões...

Sol, para que acordar
toda essa gente?
para espalhar dos seus olhares
aqueles restos hospitalares
de suas almas leprosas
que nem têm mais dentes...?

Sol, eu te imploro
basta de nos mostrar
tanto horror
tanto vazio
tanta decepção...
deixa-nos e vai além...
para que nascer para todos
se o homem não é mais ninguém...?


26 novembro 2011

A Farsa da OTAN e o Bom Governo de Kadhafi

Eu sempre considerei a dita "Primavera Árabe" um movimento superestimado pela mídia. Dizem que agora os países árabes antes dominados por ditadores "cruéis" serão democráticos. Eu, sinceramente, duvido dessa democracia. Primeiro: os árabes têm gosto por governos centralizados e autoritários, acredito que a democracia não funciona com eles. Segundo, porque muitos desses movimentos "democráticos" foram e são apoiados pelos EUA e pela OTAN, e todos sabem que o interesse deles pelos árabes se resume a três coisas: petróleo, petróleo e petróleo. 

Há países com ditadores no poder no Oriente Médio que são amigos dos EUA e, claro, os americanos não pretendem atacá-los. É o caso da Arábia Saudita. E esses mesmos países são economicamente prósperos, com altíssima renda per capita e com o IDH bem maior que o brasileiro. Era o caso da Líbia quando  Kadhafi estava no poder. Vejam o que diz o jornalista Rogério Mendelski, em sua coluna dominical no Correio do Povo, sobre o assunto:

"Será mesmo que a vida na Líbia de Kadhafi era insuportável e o povo vivia sufocado em seus direitos civis? Os novos dirigentes do país já anunciam que a nova Constituição terá como base a Sharia, a lei islâmica fundamentada no Alcorão. "Nós, como nação muçulmana, teremos a Sharia como fonte de nossa legislação. Daqui para frente, toda lei que entrar em conflito com os princípios do Islã será declarada legalmente nula", disse Mustafá Abdeljalil, presidente do Conselho Nacional de Transição"
(...)
As mulheres líbias que se preparem para uma nova vida caso se confirmem as palavras de Adbeljalil. Na Era Kadhafi, as mulheres tinham liberdade para dirigir seus automóveis, casavam com homens que amavam, havia divórcio e elas podiam exercer suas atividades profissionais, tais como advogadas, engenheiras, cientistas, jornalistas, funcionárias públicas e militares.
(...)
Com ironia, a revista aponta "os sofrimentos" do povo líbio com Kadhafi. Os jovens recém-casados recebiam do governo 50 mil dólares para a compra da casa própria e para dar início à vida familiar. Aliás, a casa própria na Líbia de Kadhafi era considerada como direito humano e universal. Não havia conta de luz na Líbia porque a eletricidade era gratuita para todos. Os bancos estatais não cobravam juros, por força de uma lei expressa. Educação e saúde eram rigorosamente gratuitas. Na compra do primeiro automóvel, o Estado oferecia uma subvenção de 50%. Os mesmos líbios que empunharam armas para derrubar Kadhafi ainda estão em dúvida se os seus direitos serão mantidos. As mulheres mais ainda.

Educação



Foi Kadhafi quem instituiu o ensino gratuito em todos os níveis, assim como a saúde pública. O cidadão líbio que não conseguia chegar à universidade desejada ou ter um tratamento médico-hospitalar adequado recebia um financiamento para buscar seus objetivos no exterior, além de um valor fixo de 2.300 dólares para moradia e transporte. A Líbia tem 25% de sua população com formação universitária.


Seguro-emprego

Se um jovem líbio concluísse o curso universitário ou técnico-profissional e não encontrasse colocação no mercado de trabalho, o governo pagava-lhe o salário médio da categoria ao qual ele iria pertencer, até ele encontrar uma vaga na sua atividade profissional.

Proteção estatal

O Estado líbio planejado por Kadhafi incentivava o jovem agricultor a permanecer na sua aldeia dando-lhe terra, casa, equipamentos agrícolas, sementes e gado, sem qualquer custo. Antes de Kadhafi cair, o litro de gasolina custava o equivalente a R$ 0,23 (10 centavos de euro).

Economia

A Líbia é (ainda) o país africano com o maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), bem acima do Brasil. Sem dívida externa, o país tem (ou tinha) reservas estimadas em 150 bilhões de dólares. O auxílio-natalidade na Líbia é de 5 mil dólares, por filho nascido. Os líbios tinham bonificação sobre a venda de petróleo, a qual era creditada diretamente na conta de cada cidadão. Fica a dúvida: a Otan e os novos dirigentes líbios irão manter esses direitos conquistados no governo de Kadhafi?"

Enquanto isso, no Brasil...  Preciso dizer?


25 novembro 2011

Nada-me

agora que nada
nado-me
e o nada mais
mais resta
nada mais
há mais
e não há
a ser dito
bem dito
o meu ser
que nada mais
ao mar que minto
o que (não) sinto
barco de resto
de arrasto
desisto
mau quisto
e odiado
agora que alado
e ao lado
mau fado
nau-fada
sem deixar rastro
me afasto
de mundo
pro fundo
aos nados
te infesto
em riste
de espada...

de resto?
mais nada.

24 novembro 2011

Professores, enfrentem a sociedade falsa e ignorante: Façam Greve!

Como sempre, a sociedade gaúcha não apoia a greve do magistério. Nunca apoiou. Sempre há uma desculpa para não apoiar. As pessoas gostam de HIPOCRITAMENTE, (não, não são só os políticos que são vergonhosamente hipócritas) despejar da boca para fora que só a educação é a solução, que há de se valorizar os professores, blábláblá, enfim, toda aquela baboseira frívola que todos estão cansados de saber, de ouvir, de falar. Mas quando o magistério decide, corajosamente, sim, corajosamente, enfrentando governo, alunos e toda uma sociedade hipócrita, lutar para fazer valer o seu DIREITO ADQUIRIDO, bem, aí todos se sentem prejudicados e ninguém apoia. E assim, entra governo e sai  governo e a educação continua sempre a mesma indecência de sempre. 

É verdade que a atual greve não deveria ocorrer. Sim, não deveria porque é uma obrigação legal do governo do Estado do RS, de qualquer estado brasileiro, aliás, pagar o Piso Nacional dos Professores. Lei concebida pelo próprio Tarso Genro quando ministro da educação. Somente 4 estados brasileiros não pagam o piso: MG, PA, BA e RS. Não pagam porque não têm dinheiro? É claro que têm. O problema é que a educação não é prioridade. O dinheiro vai para outras coisas consideradas prioritárias. Sendo assim, esse greve não deveria existir. Porque o RS está fora da lei. Amigo leitor, tu podes ficar fora da lei? Podes sair por aí, por exemplo, portando uma arma sem autorização? Se descobrirem, tu serás levado para a delegacia. Tu não poderás argumentar nada. Agora, o próprio Estado, que deveria ser o exemplo máximo no cumprimento da lei, simplesmente não a cumpre e ainda se julga com a razão.

Depois, os professores são obrigados a realizar greves sempre impopulares para poderem receber o seu piso estabelecido por lei, piso esse que ainda é baixo, ridículo, se comparado com o dos países desenvolvidos. E mesmo com a greve, não vão receber. Porque toda a sociedade está contra. Porque dizem que a greve está sendo realizada em má hora, no final do ano letivo, e os alunos serão prejudicados em suas provas de vestibulares. Serão prejudicados? Ótimo. Assim devem ser as greves quando têm uma causa justa, e não há causa mais justa do que essa. Devem prejudicar a sociedade, fazê-la ver como os professores são imprescendíveis, as greves devem mostrar justamente isso, que tal profissional faz falta. Mas a sociedade está tão contrária que os próprios professores estão se sentindo intimidados em aderir à greve. 

O magistério sofre, pena, para poder receber um aumentozinho de algumas poucas centenas de reais em seu piso, com todo mundo contra, enquanto os nossos amados deputados, vereadores, constantemente aumentam seus debochados salários em milhares de reais. E então o povo faz um protestozinho mixuruca, tão vergonhoso quanto o aumento dos deputados, protestozinho que obviamente não adianta nada, e depois fica tudo por isso mesmo, todos felizes e contentes como sempre. E burros e ignorantes, como sempre também.

Senhor governador Tarso Genro, por favor, deixe de ser hipócrita. O senhor criou o Piso Nacional em seu ministério e agora não quer pagar para o seu próprio estado? Vai pagar quando? No final do seu governo? Para tentar assim ser reeleito? E se não for e o outro governador que vier alegar, como o senhor, que não tem dinheiro? Até onde iremos dessa forma? Nunca, governador nenhum, partido nenhum encontra dinheiro para investir na educação? Não, a verdade é que governador nenhum, partido nenhum tem a educação como prioridade.

É por isso que eu digo: professores: façam greve, façam valer seus direitos, tenham coragem, enfrentem essa sociedade falsa e ignorante, acabem com esse negócio.

22 novembro 2011

A Ti, Sanguinário

no que há mais força
que na determinação do mosquito?
ele sabe o que há de fazer
e o faz
nas noites nas matas nas chuvas
nos ares nos solos nas grutas
pela morte pelo caos pelo horror
quando acabar este maldito humano
será o mosquito ainda o senhor...

quem o venceu? quem o subjugou?
quem dobrou sua espinha
e o fez desistir
de aspirar ao teu sangue
e ir repousar a se rir...?

um exército apocalíptico de mosquitos
(o que há de mais firme?
o que há de mais implacável?)
invadiria todas as terras
venceria todas as guerras
e tornaria este mundo
incivilizável

a Ti, Mosquito
minúsculo sanguinário
e às hostes dos insetos deste planeta
a vós
faces-deuses do Horror
deixo o meu verso miserável
a minha amizade inútil
e a minha imperturbável dor...

21 novembro 2011

Mudanças Climáticas Assolam o Planeta. E enquanto isso no Brasil... E enquanto isso em Santiago...

Para alguns otimistas dotados de rara inteligência, as mudanças climáticas não passam de exageros de alguns alarmistas desocupados. Mas fatos são fatos, e contra eles não há argumentos. Não vou nem me dar ao trabalho de explicar nada, irei apenas transcrever o que está  na coluna "Tempo e Clima" do jornal Correio do Povo, de 19/11/2011, página 28:

"Tornado atingiu Cochabamba, na Bolívia, na quarta, e trouxe destruição. Pelo clima seco e por estar em enorme vale, o fenômeno é raro na região e não tinha precedentes. Na Europa, o Oeste do continente amarga um novembro seco e 'quente'. Na gelada Islândia, homens que nesta época estariam na rua retirando neve, nestes dias faziam tarefas de verão, como plantar gramados. Na Escócia, ainda há flores brotando. Quase toda a Inglaterra deve ter máximas hoje acima da prevista para Amã, Jordânia, no deserto do Oriente Médio. Na Suíça, estações de esqui estão fechadas. Não há neve no chão. Recém ontem nevou na Lapônia, na Finlândia, na neve mais tardia em 50 anos. Já no Alaska, o frio é absurdo. Fairbanks, segunda maior cidade do estado americano, teve 40,5ºC abaixo de zero na quinta, menor marca em novembro desde 1994. Antes, desde 1994, só em cinco oportunidades a temperatura tinha atingido 40ºC negativos tão cedo na cidade no inverno climático."

E enquanto isso no Brasil, a empresa petrolífera Chevron derramou mais de 3000 barris de petróleo nas águas do litoral carioca, durante mais de 10 dias, e só agora assumiu a responsabilidade pelo vazamento. Somente alguns milhões de seres marinhos podem morrer vítimas do óleo. O oceanógrafo David Zee afirma: "As baleias jubartes, por exemplo, precisam vir à tona para respirar e podem ingerir esse óleo. Já as aves tentam limpar o óleo de suas penas com o bico e acabam ingerindo o petróleo, o que danifica o aparelho digestivo." Nada de mais, não é mesmo?

E enquanto isso em Santiago, Itacurubi, Unistalda, Bossoroca, enfim, aqui na nossa região, dezenas de carvoarias ilegais foram identificadas e autuadas pelo IBAMA por estarem destruindo as nossas florestas de pau-ferro, árvore raríssima, ameaçada de extinção. O estranho, é que quase ninguém fala sobre isso por aqui.  Esse é o fato, ao meu ver,  mais triste dos últimos dias em Santiago e região. 

E assim vamos, meus amigos, assim vamos...

19 novembro 2011

Pelo Pior é Melhor

só quem espera pelo pior
mantém-se incólume
na serenidade da espera
e preparado caso o melhor não venha...

mas quem o que é pior desdenha
e só aceita esperar o melhor
caso for o pior o que vir
(e vê como o pior gosta de se ser...)
verá como é prazeroso
ao que é destino
de na cara lhe rir...

só quem espera pelo pior
já subiu o degrau acima da decepção
e mantém impassível
a necessária espada afiada
em sua imperturbável mão...

só quem espera pelo pior
conhece a fundo o coração humano
e jamais deixa de estar atento
em todo e qualquer momento...

aquele que o pior espera
torna-se o melhor
amigo
da impiedade do olhar da fera


18 novembro 2011

A Tragédia da Hidrelétrica de Belo Monte

Parece o nome de um conto. Antes fosse. Sobre essa tragédia, quase nada tenho a dizer, apenas isto: 

Observem, senhores e senhoras, o ponto a que chegamos. Temos que destruir nossa própria casa, para podermos viver. Tudo porque nunca nos preocupamos em investir em um desenvolvimento sustentável. E continuamos não nos preocupando. Estamos consumindo nosso própria casa. Esse é o fato. Incontestável.  É como começar a queimar os móveis e as paredes da casa para manter aceso o fogo da churrasqueira. Um dia a casa cai. É ou não é? 

Lembrando: a usina inundará 400.000 hectares de floresta, expulsará 40.000 indígenas e populações locais e destruirá o habitat de inúmeras espécies.


Para ilustrar, deixo duas coisas tristes, o meu poemeto abaixo e a foto acima, melhor que o meu poema. E mais triste.

do Perfume

o perfume dos novos tempos...

sem fadas e sem palmas
(só o miasma dos cadáveres das almas)
horrores onde minhas narinas ponho
(flatulências fermentadas do teu sonho)
longínquas de inocências de criança...
(o fedor da carniça da esperança...) 

17 novembro 2011

Extraneus Volume 3 - Em Nome de Deus

Em Nome de Deus é como se chama o 3º Volume da série Extraneus, para o qual escrevi o prefácio. A Extraneus é uma coletânea de contos de diversos autores brasileiros reunidos a partir de determinados temas. a série é publicada pela editora mineira Estronho, sob a responsabilidade do escritor Marcelo Amado.

O Volume 3, como o próprio nome indica, apresenta trabalhos que exploram a questão dos horrores e crimes que foram e são cometidos em nome de Deus. Que mal o homem é capaz de fazer tendo como motivação uma suposta divindade? E que direito teria o homem de agir em nome de um deus? Os contos reunidos em "Em Nome de Deus" nos apresentam diferentes aspectos de tais questionamentos, vale muito a pena conferir.

O livro está em pré-venda e será lançado no dia 10 de dezembro de 2011. Maiores informações, aqui.

16 novembro 2011

Lições da Poeira

vê como tudo se perde
por entre os dedos
do que não vemos
vê como tudo se verte
por entre a vida
que nem é vista
e a água que corre
(como se fosse num porre)
nem percebemos
que já é areia
(poeira...)

quando vê-se que é
o que é já se foi
estamos sempre
um passo atrás
daquilo que passa
só somos
(só somos...)
quando nem é mais
e parece que morrem
antes que o corpo
as nossas almas
até então imortais
mas só de areia
(poeira...)


e o que sobra
é o papel do que fomos
aquela superfície maquiada
o pó da face
plastificada
e ficam então as pessoas
sendo um móvel
de belo verniz
mas que por dentro
(num carcomer lento)
os cupins o deixaram em lasca...
aquelas pessoas
ainda vivas
que da beleza que tinham
só restou a casca
um balde vivo de poeira
castelos
de areia...

14 novembro 2011

Cuidado com as Frases Falsas da Internet

Amigos leitores, observem a citação abaixo:

"O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis." 

Isso é atribuído a Fernando Pessoa. Mas o maior nome da literatura portuguesa ao lado de Camões nunca escreveu tais frases, não está em suas Obras Completas. Foram atribuídas falsamente a ele. Na verdade, a citação está no livro "Qual o tempo do cuidado?" de autoria de Maria Júlia Paes de Oliveira. 

E eu já vi a mesma citação acima sendo atribuída a Fernando Sabino e, pasmem, até a Baudelaire. É incrível como esses absurdos se difundem pela internet. Obviamente, o gênio de Pessoa jamais escreveria algo tão lugar-comum, medíocre e água-com-açúcar. Nem mesmo Fernando Sabino o faria. Muito menos o maldito Baudelaire.

E claro que a citação é apenas um exemplo. Há centenas de outros, que vão se difundindo cada vez mais, devido à preguiça de ler das pessoas. Querem colocar frases de efeito em suas redes sociais, facebook, orkut, twitter, msn, enfim, e, ao invés de ler o livros, buscam frases prontas pela internet. E assim, os gênios da literatura acabam sendo difamados. Fernando Pessoa, Baudelaire, Shakespeare, agora aparecem assinando frases de auto-ajuda ridículas. 

Bem, vou encerrar deixando alguns versos autênticos de Fernando Pessoa:


"Se tudo o que há é mentira.
É mentira tudo o que há.

De nada nada se tira,
A nada nada se dá."

13 novembro 2011

E te Curvarás...

estás na estrada
e terás que fazer a Curva...
mas não sabes quando virá a Curva
nem de onde a estrada veio
nem para onde a estrada irá
mas estás na estrada
e terás que fazer a Curva...

e a estrada em que estás não conheces
ou conheces mas não lembras da estrada
muito menos lembras da Curva
mas depois da Curva
o que virá?

virão planícies ou tempestades
lagoas ou acidentes
florestas ou precipícios...?
ou será que a estrada
acaba
depois da Curva?

sim, porque estás na estrada
e terás que fazer a Curva...
mas cuidado ao fazê-la
ao temê-la
ao dizê-la
ao pensá-la
ao sorri-la
a Curva é sempre perigosa
e não sabes que Curva é aquela...

mas quando fizeres a Curva
(e terás que fazer a Curva)
te curvarás.