17 dezembro 2011

Nada a Ser Entendido

parar de dizer
e não falar nada com nada
nenhuma alguma a ser entendida
estendida
ou entediada

sono o vasto do campo
e verbo a música que é
que é nota e não-palavra
a minha amada de amada
e o campo é o que é o campo
e não se precisa explicá-lo
que sente-se mais a dor
do que o significado do calo

por isso é que não me calo
sempre um nada me resta há falar
o que vale
é que ao vale a cavalo
e além do que penso
(há música é o que não me canso)
o universo é mais denso
quanto te perco meu senso
entre o incenso e o que há de luar
(a isso que é vago te danço)

no Nada me hei de cavá-lo
tropas de névoas
e nuvens a se con-formar
em todas as eras
e tu que me esperas
nos parassempres do ar...

viver é sempre ter ido
e ser poeta é não fazer sentido

6 comentários:

Anônimo disse...

é mágica o que você faz com as palavras.

• Ӗwerton Ľenildo. disse...

Texto perfeito. Adorei.
Estrou seguindo você sem medo.
Segue meu Blog se gostar também?
papeldeumlivro.blogspot.com

Sucesso sempre, Abraços.

Luna Sanchez disse...

Por vezes, eloquentes são os silêncios.

Um beijo.

suh disse...

Quantas palavras lindas, Alessandro. As vezes me calo por não saber expressar o quanto tua poesia me impressiona. É dificil achar palavras que estejam a altura de um belo comentário quando se trata da arte de um poeta, rs. Mas pra ti, eu digo só: Sublime. Tem escondido entre tuas virgulas e pontos, sonhos que só quem consegue fechar os olhos e sentir, pode desvendar.
Parabéns.

Eu creio que a arte não foi uma escolha tua, tu foste uma bela escolha dela.

Beijos, saudades.

Dellone disse...

Saudações Lord!

Em primeiro lugar, gostaria
de dizer que seu poema é
Excelente! ...

E agradecê-lo por vossa honrosa
visita em meu "Silêncio". Volte Sempre! ... sempre estarei por aqui!

E desejar ao Lord e a todos os
que por aqui passarem BOAS FESTAS
e um FELIZ ANO NOVO!

Ligéia disse...

O sentido do que dizes está na tua filosofia, e na capacidade inspiradora e criativa de trabalhar as palavras.

belíssimo!

beijos.