28 setembro 2011

a Quem Dorme

vou ver se durmo
volver-se só pelo não-dito
versar em névoas
tudo que me deixa aos olhos
descendo oculto
nunca develar-me sendo
a ver se pairas no que sou
tuas essências...

majestei-me às asas
fêminas sem destino
perdi-me em cânticos sentenças
que te foram...

lá que encontro as febres
que à noite em mim serenam
como luzes de um segredo
sempre em sangue e astro
encontro-me ao sopro
que não chegou me antes
a sonatar o meu sono
que sonhei-vertigem...

dormir é revolver-se um livro interno
dormir é resolver-se em esquecimento
um mortal fatal momento
no eterno...

(Na imagem, o quadro "Ophelia", de Millais.)

7 comentários:

Cuentos Bajo Pedido ¿Y tu nieve de qué la quieres? disse...

Eu goste muito de esta frase

dormir é revolver-se um livro interno

Saludos

Luna Sanchez disse...

Sono é fuga, "descanso pra loucura", com o uso da licença poética.

Um beijo.

Paredes disse...

Dormir
dormir
em
rimas
sem
acordes!

Quem dorme?

Andressa C. disse...

Lindo.

MIRZE disse...

MARAVILHA!

Seria tão bom se todas as noites tivéssemos a febre que se aproximou no dia, e que o dormir fosse uma vertigem.

Eu gostaria!

Beijos, poeta!

Mirze

Lyli Jackson disse...

Bom,acaba de conhecer o nome da conta do google da proprietária do notebook que estou usando,rsss!Por força do habito, esqueci que não estou no meu e cliquei direto no enter!Mandarei outra vez,com minha conta original e caso prefira ter um comentários meu,no lugar do de uma fã criança do MJ(Michael Jackson) dissertando sobre obras de artes,é só desconsiderar esse,o anterior e aprovar o próximo comentário!Gosto do MJ,mas não ao ponto de ser Lyli Jackson,kkkk!Desculpa!

Dica Cardoso disse...

Ophelia...Uma das minhas obras de artes preferidas!A mais marcante.A vi pela primeira vez aos 10 anos...Muitas coisas aconteceram naquela época pois foi quando comecei a frequentar uma determinada biblioteca.Um dos fatos mais marcantes foi esse.A imagem de Ophelia,a moça nas águas para mim,ou a namorada suicida de Hamlet,de qualquer forma,um momento de beleza estética imortalizado em obra de arte,que me atraiu ao ponto de não largar mais o livro em que a sua imagem estava grudada não mais do que os meus olhos.Eu esperava ansiosa o fim da semana,pois era dia de ir a fazenda e isso significava rios.Passava horas lutando contra a correnteza tentando imitar a pose que havia decorado por tempos...O que eu nunca imaginava é que um dia eu fosse constatar palavras se sobreporem a essa imagem...Essa imagem que sempre arranco-me o olhar de tudo em sua volta.Pela primeira vez,meus olhos não foram dela enquanto esteva diante de mim,pois as palavras os ganharam...A quem dorme,tocou quem não dorme,tendo sido escrito em mais um dia em que quase dormiu para sempre em leito hospitalar...
PS:Desculpe-me por alongar-me!

Dica Cardoso (sandra)