03 agosto 2011

Amar é o Quê?

o que é dizer que somos todos irmãos?
que temos todos o mesmo pai
ou a mesma mãe?
ou somos irmãos
porque somos a mesma coisa
a mesma essência a mesma substância?
enfim, eu sou o outro
e vice-versa?
tudo que há em mim
no outro também universa?

sou irmão do tigre
que é filho da mesma Terra
e onde corre sangue que é rubro
ou porque o seu sangue
é uma parte do meu em onda espiritual?
se ele morre
escorre
algo do meu vital?

se os homens se dilaceram na guerra
ou se degeneram em miséria
que sonho do meu ser é que se vai?
que olho do meu peito chora e se contrai
se a floresta se esvaece em fumaça?
quando o planeta sofre
que vida se derrama da minha taça?

sofro porque eu sofro
ou porque o todo sofre?
o sangue derramado lá
sou eu derramado aqui?
o que é isso que goteja das minhas mãos
quando uma cabeça é esmagada?
é lágrima é sangue é mentira
ou é nada?
quando o sol se obscurece no céu
anoitece uma luz no que sou eu?

e isso que digo é para algum fim
ou sou só eu que sinto assim?

7 comentários:

CARLA STOPA disse...

Empatia...Sentir a dor do outro, a dor do mundo...

Claudia disse...

Muitos se sentem assim, mas de qualquer forma, sempre será só você que se sente assim...

MIRZE disse...

Maravilhoso, Reiffer!

Eu também sofro com isso. Com a seca, com a matança dos animais, com as touradas e rodeios. Não sei em que tempo o mundo passou a valorizar mais o sangue, o sofrimento da natureza e tantas outras coisas.

Não gostam que eu diga, mas preferia não estar aqui e contemplar essa paisagem.

Que bom encontrar alguém sensível!

Beijos, poeta!

Mirze

Karin disse...

O que mais me atrai no teu texto é a capacidade cortante, como a navalha mais afiada, entranhada na carne, na alma. Poesia visceral: cada palavra, uma adaga...

Nadine Granad disse...

Que lindo!!!
... Fala-se de um amor muito maior...
Do essencialismo das coisas...
"Do UM tudo parte, no UM tudo movimenta e no UM tudo atinge a finalidade"...(PITÁGORAS)

Zélia Guardiano disse...

Boa pergunta, meu querido Reiffer!
O título já prenuncia a profundidade dos versos que nos aguardam logo a seguir...
Poema grandioso, meu querido!
Abraço da
Zélia

Ligéia disse...

Será mesmo que somos todos irmãos?