10 agosto 2011

78% das Florestas do Planeta já não existem mais. E O Senhor dos Anéis.

O leitor deve estar se perguntando o que uma coisa tem a ver com a outra. E eu respondo: muito. Há cerca de 70 anos, o escritor de uma das maiores criações da imaginação de todos os tempos, J.R.R. Tolkien, deixou-nos, no segundo volume de “O Senhor dos Anéis” – “As Duas Torres”-, o seguinte: “As florestas do mundo irão sucumbir diante do poder da indústria”.  Claro que o “mundo” a que Tolkien se referia era a “Terra-Média”, o mundo de sua imaginação. Mas torna-se mais claro ainda que a sentença do escritor é perfeitamente aplicável ao nosso planeta. Soa como uma profecia, um aviso, uma previsão. Na época da elaboração de “O Senhor dos Anéis”, ainda havia muita floresta ao redor do planeta. A Amazônia, por exemplo, estava praticamente intacta, assim como as florestas do Canadá e da Rússia asiática. Já hoje... Convido-os a acompanhar os índices abaixo:

Índices de destruição florestal ao redor do mundo:

Europa: 99,7%
Ásia: 94%
África: 92%
Oceania: 78%
Rússia: 71%
América do Norte: 66%
América do Sul: 54%

Fonte:  World Resource Institute, EUA.

Realizando-se o cômputo geral, 78% das florestas do planeta já não existem mais. Para os otimistas, os crentes nesta humanidade, aqueles que acreditam na evolução eterna, que a humanidade está sempre melhorando, esse catastrófico fato não deve passar de um acidente de percurso, que a humanidade irá tirar de letra. Evolução... Como se assim fosse com todas as coisas... Por acaso não nascemos, crescemos, tornamo-nos adultos e depois envelhecemos e morremos? Isso é evolução e involução. O dia evolui e involui para que venha a noite. E depois é a vez da noite involuir para que venha o dia. Assim é com tudo no universo. Por que seria diferente com a nossa humanidade?

Eu não temo afirmar que esta atual civilização humana já principiou seu processo de involução. Não digo que a humanidade vai acabar total e simplesmente. Digo que esta civilização está a caminho de seu fim. Não quer dizer que não possa surgir outra depois. Os sinais tornam-se lentamente evidentes com o passar dos dias. Qual o primeiro sinal da aproximação da morte? Uma doença no organismo, que pode ser curável ou não. Qual o organismo da humanidade, o seu corpo? É o planeta, obviamente, que se encontra gravemente doente. É um fato inquestionável. Em sua arrogância e pretensa autossuficiência, os homens creem que a ciência ou que um ajuste utópico e absurdo das coisas por si só irão resolver os problemas que nos ameaçam. É belo ser otimista. Até parece sábio. Para as coisas se resolverem, o homem teria que mudar essencialmente. Agora. E olhe lá. Mas quem conhece o ser humano sabe que ele não muda.

O ser humano pensa que ele é o único ser que sabe das coisas e se vangloria de seu inútil intelectualismo. Sabedoria transformou-se em sinônimo de vã intelectualidade e de complexas teorizações, suntuosos castelos belíssimos na aparência, mas que não guardam essência alguma. O saber advindo da intuição, do coração, da espiritualidade é hoje ridicularizado. Mas é assim que os poetas, os artistas sabem. Foi assim que Tolkien previu o desastre de nossas florestas. Fico com Goethe: “Toda teoria é cinza, e só é verde a árvore de dourados frutos que é a vida”.

Há sabedoria no planeta. E nas suas conexões universais. Bem mais do que no homem. A Terra, nossa mãe e organismo da humanidade, saberá varrer aqueles que estão a parasitando. O novo só surge quando o velho morre. Essa é minha única esperança.

14 comentários:

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

Lendo o teu texto fiquei pensando na minha filha,no mundo que deixarei para ela

Ligéia disse...

Também não creio no futuro da humanidade. E penso que a própria natureza está se encarregando da faxina neste planeta. E nessa faxina vai todo mundo, não há critérios. As catástrofes naturais já o evidenciam.
Ando passando mal com o que eu soube sobre "fazendas" que criam cães, na China para tira-lhes a pele. E o processo de tirar a a pele me deixa doente, chorei demais, tenho vontade de chorar cada vez q me lembro. Malditos!!E esse povo ainda os serve em suas mesas. O mundo não vê isso?? Ninguém nunca vai fazer nada sobre isso?? Sobre touradas, farras, corridas de cães, brigas de galo que ainda continuam, corridas de cavalos?! Já não basta comer-lhes a carne?

Katrine disse...

"A prova mais concreta de que existe vida inteligente no universo, é a de que nenhuma delas até hoje tentou entrar em contato conosco". Li isso em uma tirinha de jornal, a pura verdade.
O homem se acha inteligente, mas na verdade não passa de um ignorante. Por destruir a própria casa, se finge de desentendido para que sua ambição cresça sem limites. Somos todos responsáveis por isso.

É triste, e uma realidade absurda o seu post.

Abraços!

Milton Ribeiro disse...

Veja a lista de blogs do Sul21, abaixo, à direita. Espero que não te importes.

Camila Monteiro disse...

Nossa dá até um apreto no coração olhar os indices. Triste demais.

Nadine Granad disse...

Bem pensado... sobre o Tolkien...

Gosto muito do seu senso crítico e de como aborda os assuntos ;)


Beijos =)

Katia Cristina disse...

Não creio mais no futuro de coisa alguma. Não creio no ser humano, não creio na vida, não gosto mais de viver, mas ainda assim tenho que respirar!

Anônimo disse...

Só a título de curiosidade, pois o q vou dizer não tira o mérito do seu texto. Que ironia! Vc é de Santiago, pelo visto, e a idéia da ilustração q vc usou nessa postagem foi "chupada" de um conterrâneo seu, o cartunista Santiago, que a usou num cartum muito antes dessa.

Eugênio

Al Reiffer disse...

Caro senhor Eugênio (caso realmente o sejas), grato pela leitura do blog. Mas esclareço que a imagem em questão não foi "chupada" de um cartum do nosso grande cartunista Santiago, muito embora ele possa tê-la usado, o que eu desconhecia. A imagem pertence ao WWF, inclusive se encontra ali a marca da organização. Já recebi autorização por e-mail para utilizar-me de imagens do WWF e também do Greenpeace em meu blog. A não ser que o WWF tenha "chupado" a imagem do cartunista Santiago. Bem, aí a culpa já não é minha.

santiago disse...

Conterrâneo Reiffer
Sou amigo do Eugênio, q me mostrou o teu blog (q eu já conhecia). Não é culpa tua, esse desenho circula aí pela internet. Quando a WWF o divulgou eu já havia feito a idéia, muitos anos antes (1976) e o cartum ganhou o Salão de Piracicaba.
Teu texto é muito bom e oportuno. compartilho a idéia da humanidade como uma bactéria do organismo Terra!!
Abraços
Santiago (cartunista)

Al Reiffer disse...

Obrigado, Santiago, pelo precioso esclarecimento. E parabéns pela ideia, realmente genial. Merece todos os prêmios. Abraços!

Al Reiffer disse...

Inclusive, Santiago, deixo meu humilde blog à disposição, para quando quiseres divulgar qualquer dos teus trabalhos. Todos os que eu já conheci, sempre muito os apreciei.

helen ps disse...

Li no livro de James Lovelock (A Vingança de Gaia) que para o planeta Terra as bactérias são mais úteis do que os seres (dito) humanos. Então, se ela tiver que destruir quem está a lhe fazer mal, adivinhem qual dos dois ela vai escolher...

Abraços.

PAZ e LUZ

Agnes Mirra disse...

78% das florestas já não existem mais..Isso é aterrador!Estamos sobrevivendo!!Mas, até quando?