21 maio 2011

...e vi que havia Sangue em minha Espera

tateei no vinho em treva
o Prenúncio
e vi que havia Sangue em minha Espera
colerizavam nos meus olhos
congestionados de ler sinais vermelhos
em Lao-Tsé e em Confúcio 
os sintomas rubros de uma fera...

a culpa fulva
lacrimejou nos cortes dos meu dedos
e vi que havia Sangue em minha Espera
um sabiá golfejou da laranjeira
entre cantos das cortes dos meus medos
uma envenenada amarela...

degolei a laranjeira no auge
da sua menstruação
e vi que havia Sangue em minha Espera
semeei seus ovários pelos horizontes
com a espada em zodíaco da minha mão
furiando aquele incêndio com uma vela

sonhei que um sapo e um cavalo
urinavam líquidos escarlates pelas águas
do poço em que ceifei das tulipas a mais linda
que era Ela
e o pulso do meu coração se vinagrava
ainda
e vi que havia Sangue em minha Esfera...

8 comentários:

Júnior Rodriguez disse...

Wow!

Isso foi devastadoramente saboroso de se ler!

Meus parabéns! Demais! Demais!

=D

Meme Vergara disse...

yo siento muy pero muy bien el pulso de tu corazon.

Besos.

Felipe S. disse...

Muito bom, belo texto!

PapoBacana disse...

lindissima a forma que tu escreves..

adorei seu blog..

gosto muito de ler poemas..
sei que vc já tem muitos seguidores..
talvez eu nem aparece em meio a tantos..

mas vou seguir pq gostei muito..

beijaum

ps: tbm escrevo se puder me viista..

Valéria Sorohan disse...

Um belo mergulho nas entranhas - foi o que vc me proporcionou.

BeijooO*

angela disse...

e há sangue na vida...
beijo

Agnes Mirra disse...

Bem no momento que eu estava lendo, vi que também houve sangue aqui...Com cólicas e tudo mais!Divino sangue!!!

Ligéia disse...

Sangrei...