05 abril 2011

Plêiades

o que não está aqui
o além do lado do meu lado
o que cai se erguendo
pelo atrás da noite
fragrâncias de perfumes que não hão
o extrestelar de átomosferas
que não vê(e)m e que não são
langues longos de outros lugares
outros astros de ventos vagares
vagos estros de vindos que tragam
tragam-me ao sim
o que não mas que sinto
que seja em verdade o longe que minto
tinto ares de áries das plêiades
outros sigos pelo que signo
e ólheo do eterno do gato de alice
que só vale a pena o distante do disse

9 comentários:

Gisa disse...

Adoro esta tua imensidão poética!
Um bj querido amigo

Karla Thayse disse...

Que lugar incrível!

Encantada...

Abaço

Ingrid disse...

.."só vale a pena o distante do disse"..
sempre intenso Reiffer!
beijos

Srtª Bêêh disse...

Demorei, mas to qui.
Obrigada pela visita e pela dica. hehe'
Um beijo grande.

Sandra Botelho disse...

Você como sempre me fazendo divagar em teus escritos.
beijos achocolatados

Daniel disse...

Belo jogo de palavras amigo,
boa noite

Dan

Evanir disse...

Olá conhecendo você hoje seu blog atravez da amiga Sandra.
Estou encantada com seus bélissimos poemas.
estou seguindo ser blog ,pois espero poder voltar sempre aqui.
Um lindo Dia para você beijos meus,Evanir

www.aviagem1.blogspot.com

E
www.fonte-amor.zip.net

Davi disse...

Um poema feito bem ao teu modo, gostei da parte do gato de alice.

Legal isso.

helen ps disse...

Fiz uma viagem cósmica, agora.
Adorei!

Abraços.

PAZ e LUZ