22 abril 2011

13 Versos Fúnebres para a Sexta-Feira Santa

pois para a tristeza não há antídoto
e a vida passa como marcha fúnebre
que seja o que for e seja ou não válido
que só que me importa é teu gesto lânguido
ou só que me inflama é teu rosto sânguino,
e não religiões que vão-se tão rápido...
naquilo que morre sempre há um pórtico
e o que há de mais grave é sempre mais mágico:
fuga bachiana ameaça monárquica
e pulsa mistério além do que místico...

só busco de ti o que há no teu trágico
sinto algo de fim no teu olhar crístico

(Na imagem, o quadro "A Crucificação", de Grünewald)

6 comentários:

Canteiro Pessoal disse...

Interessante vosso recanto.

Abraços

Priscila Cáliga

MIRZE disse...

Lindos versos, REIFFER!

A Sexta Feira Santa, é um tempo de louvor, embora a "PAIXÃO" de Cristo seja triste e repetitiva, sempre emociona. Ao mesmo tempo, traz a alegria de uma nova vida que ressurge.

Belíssimo!

Beijos e Feliz Páscoa!

Mirze

Juliana Dias disse...

Belos 13 versos. Belos e profundos!

Luísa Chaves disse...

Olá! Obrigada pela visita, também gostei do seu blog e, na verdade, estou admirada. Não é qualquer pessoa que consegue escrever assim (=

Feliz páscoa! bjs :*

Lara Amaral disse...

Rasgante! Gostei!

Beijo.

Ligéia disse...

Lindo, e Interessante. Treze versos...