21 novembro 2010

Por que Não Fui à Feira do Livro de Santiago?

Algumas pessoas me perguntam por que não estive na Feira do Livro. O motivo é extremamente simples. Não fui porque não gosto. Talvez alguém dirá: "Um escritor que não gosta de feira de livros? Pode isso?" Por que haveria de não poder? Por que eu devo gostar? Não gosto, e pronto. Não nego os pontos positivos de uma feira. E parabenizo todos aqueles que lançaram seus livros na feira de Santiago. Pretendo, posteriormente, adquirir alguns dos livros que lá foram lançados, inclusive já reservei com a amiga Fátima Friedriczewsky o seu DESCAMINHOS, que deve ser ótimo.

Mas não gosto de feiras porque acho uma verdadeira chatice que não condiz em nenhum momento com a alma do livro, que, para mim, é de reflexão, introspecção e contemplação. Outros podem discordar de mim, sem problema algum. Estou deixando a minha visão particular. Eu não gosto daquele clima de festa, daquelas músicas muitas vezes insuportáveis, não gosto de ir lá distribuir sorrisos forçados, de ver aquela puxação de saco de sempre, de ver a politicagem e a promoção de alguns que raramente leem um livro. Não compro livros em feiras, são geralmente caros e não gosto de escolher livros em meio àquela multidão. Prefiro fazê-lo em sebos. Vale muito mais a pena.

E vou finalizar com uma questão. Alguém comentou anonimamente em meu blog que o Gabriel Pensador recebeu um cachê de R$25.000,00 para vir à Feira de Santiago. Não sei se esse valor está realmente correto, pois não me dei ao trabalho de conferir. Mas acredito que deva estar. E mesmo que seja menos, SE ESSE DINHEIRO FOSSE DISTRIBUÍDO ENTRE NOSSOS ESCRITORES PARA LANÇAREM SEUS LIVROS, QUANTOS LIVROS DE AUTORES SANTIAGUENSES PODERIAM SER LANÇADOS? 

É isso que eu chamo de politicagem. Uma feira de livros aparece de forma imediata, chama a atenção. Ajudar os escritores, só dará resultados mais tarde, com o tempo. Enquanto nossos escritores penam para publicar seus livros, alguém que já tem toda a divulgação da mídia e nem pensa tanto assim, recebe R$25.000,00 para vir aqui dizer coisas que, para mim, não acrescentam nada. Deve ser porque aqui se pensa que o Gabriel Pensador pensa melhor do que qualquer escritor santiaguense. Isso é politicagem. E hipocrisia. Por tais motivos, não fui à Feira do Livro de Santiago. E não me arrependo.

11 comentários:

Celamar Maione disse...

Também não gosto de feira de livros.
Não se encaixa com o meu perfil.
Concordo com você.

Beijos

angela disse...

Também me aborreço nessas ocasiões de muito aue, vou em lançamentos de livros de conhecidos para prestigia-los.
Abraços

Gisa disse...

Infelizmente a maioria dos eventos públicos de conotação cultural são feitos não para engradecer a alma do povo, mas sim para enaltecer a figura do administrador.
Concordo com o texto.
Um bj.

Katia Cristina disse...

Feira são para atender ao cunho comercial! Não para escritores de verdade.

Talita disse...

Oi! Obrigada pela visita e pelos elogios em relação ao meu blog.
Volte sempre!
Ah! Também não gosto de feira de livros.
Abraço

Nina disse...

Gostei do que vc disse "e não gosto de escolher livros em meio àquela multidão".
Nada melhor do que o silencio de uma biblioteca, o cheiro do livro já velho na estante, examinar, ler algumas partes e aí sim escolher...rsrsrs

Janice Trombini disse...

Admiro cada vez mais a sua sinceridade.
Concordo com a parte em que fala sobre Gabriel Pnesador,...penso como você.
Abraço

Mirze Souza disse...

Concordo, Reiffer!

Nunca vi um escritor vender livros em feira. Há todo um processo, e uma política que envolve esse tipo de mercado.

Não sabia que você era de Santiago. Terra de um grande amigo e músico, expert em flauta transversa> Cuevas.

Vou adquirir o seu, mas por aqui mesmo.

Abraços

Mirze

Marcelo BS disse...

Boa, Alessandro!!!!!!!
Tudo o que escreveste é o que muita gente pensa.....
Não sou um leitor, mas ali, na feira, aposto meus tênis novos, como a maioria não era formada por leitores.
outro

Angela Nadjaberg Ceschim Oiticica disse...

Mais uma que não gosta de Feira de Livros. Fui a algumas e me senti perdida no ambiente. Sobra quase nada para um escritor nessas feiras.

Karin disse...

Tu és um escritor que não gosta de feira de livros e eu sou uma bibliotecária que não gosta de feira de livros.

Fui na Feira do Livro de Porto Alegre porque dois livros de que participei foram lançados, mas realmente eu não aprecio - no caso desta Feira - o monopólio de autores ligados a um certo grupo midiático onipresente/onipotente...

Abraço!