17 novembro 2010

O Meu 33º Assassinato (Parte 8)

O homem vive como um pêndulo, ora oscilando para o mal, ora para o bem. Com qualquer ser humano é assim. A diferença são as extremidades que o pêndulo atinge. Alguns atingem o máximo, como foi o meu caso. A maioria das pessoas permanece em oscilações relativamente pequenas. Mas oscilam. Quem pode declarar que é o mesmo todos os dias de sua vida? Ou em todas as horas de um mesmo dia? A verdade é que oscilamos entre o bem o mal a todo instante. E se não chegamos a concretizar esse mal através de nossos atos, é certo que o fazemos na mente, no coração. E eu, um homem de extremos absolutos, oscilei mais uma vez. Talvez por pouco tempo, mas oscilei...

O que ocorreu que para mim foi completamente imprevisto é que me apaixonei. De forma sublime, talvez. Não vou aqui encher linhas e linhas de como foi que a conheci, e como se desenvolveu o nosso relacionamento. Não há necessidade. Digo apenas que aquela mulher dominou por completo meus sentimentos e pensamentos naquele dias, e acreditei, por suas inquestionáveis demonstrações, que eu era correspondido. Poucos meses após meu 32º assassinato, estávamos namorando. A felicidade divina desse amor correspondido afastou de minha alma a plenitude do mal que até então me dominara.

Não desejava mais matar, não sentia ódio por nenhuma pessoa, parecia ter retornado à minha alma aquela antiga bondade e ternura de minha juventude. Meus únicos intentos era amar aquela mulher magnífica. Porém, o peso da sombra é sempre imenso. De nada adiantaria me arrepender de meus atos hediondos. Sempre ao meu lado, estava a alma da minha última vítima, ou então a minha loucura, a minha doença personalizada. Tratava-se, minha última vítima,  de uma mulher ridícula de vaidade e antipatia, dona de um salão de beleza. Eu a matei com três tiros no rosto. Um deles, o primeiro, perfurou um de seus olhos. Agora, ela era minha escrava, auxiliando-me a me manter distante de todos os perigos e evitando que eu deixasse qualquer indício de meus crimes anteriores.

Porém, aquela alma-escrava almejava sua liberdade. E para isso, já é sabido, eu deveria cometer um outro crime e realizar o ritual de magia negra, para que a alma da nova vítima a substituísse. Porém, como também já é sabido, deveria matar com um verdadeiro ódio, um ódio supremo. E justamente aí se encontrava o problema. Eu não odiava mais ninguém.  Não conseguia odiar. E assim, mesmo que eu assassinasse alguém, não faria efeito nenhum no sentido de libertar a alma daquela mulher. Eu estaria, assim, condenado a viver o resto dos meus dias com o espírito daquela vítima ao meu redor.

No entanto, algo que não previ ocorreu. A alma-escrava não era tão escrava assim. Ela percebeu que eu não conseguia mais odiar e, consequentemente, matar. Então, ela passou a tentar incutir em mim, com suas sugestões venenosas, novamente aquele ódio que eu abandonara. Porém, meu sentimento por minha namorada era sempre mais forte. Então, a alma-escrava compreendeu que eu somente poderia voltar a odiar se não mais nutrisse aqueles sentimentos por minha amada. A partir desse instante, eu ouvia a toda hora os seus sussurros demoníacos contra a mulher que eu amava.

E os argumentos daquela alma eram perigosamente convincentes. Incutia-me ela que tanto o meu sentimento quanto o de minha namorada não consistiam no amor verdadeiro. Tratava-se tão somente de uma paixão intensa, porém passageira, que cedo ou tarde acabaria, como todas as outras paixões.  E depois que passasse, o que me restaria? O sabor amargo da desilusão, a dor insuportável da solidão impiedosa, a vacuidade de todo um sentimento cultuado ao absurdo, a queda fatal de um voo inconsequente. E quem garantiria que a mulher que controlava o meu coração não o fazia por um interesse mesquinho, que nada teria a ver com o amor? Afinal, sou agora um homem com posses, com uma bela posição social, respeitado, admirado por todos. Não seriam tais atributos os que realmente conquistaram a minha amada, e não o amor que meu ser pudesse nela despertar? Aos poucos, as dúvidas foram se multiplicando em meu coração...

Estaria eu, um homem de uma extrema frieza e astúcia sendo pela primeira vez sendo ludibriado, e por uma simples mulher? Não, não, isso eu não poderia permitir. Deixá-la no controle da situação, para depois ela se apossar de meus bens, crescer na sociedade através de minha influência e então me abandonar? Talvez para ficar com outro... E se ela já tivesse outro? Sim, isso era bem possível, afinal meu sentimento por ela era tão intenso que eu jamais perceberia. Estava cego. Ela era amável demais comigo... Demais para o ser com sinceridade. Sim, ela tinha segundos interesses...

(Amanhã, a parte 9, a ÚLTIMA.)

5 comentários:

Gisa disse...

Idas, retornos, voltas e reviravoltas!
O Mago no aprisionar todas as almas que ousam ler seus textos.
Continuo aguardando, como sempre...
Um bj.

Vampira Dea disse...

Uma hora o mal vence rsrsrsr.
Estamos bem violentos essa semana

Ju Fuzetto disse...

Eu adoro seus textos.

Carla Diacov disse...

incrível...

espero uma visita tua!


ficarei honrada!

)sigo seguindo-te!(

Mirze Souza disse...

Nossa já estou perdendo o fôlego.

Mas isso é bem possível de acontecer na mente de um assassino.

Não sei.

Vou para o último!

Maravilha!

Beijos

Mirze