16 novembro 2010

O Meu 33º Assassinato (Parte 7)

Na manhã do 4º dia após meu primeiro assassinato, acordei-me com a sensação de que não estava só. Permaneci todo o dia com essa mesma sensação, sabia que essa “companhia” deveria ser a alma da minha vítima. No princípio da noite, julguei ouvir uma voz que soava como que distante, em tom frio e melancólico, que repetia lentamente: “Estou às suas ordens... Estou às suas ordens...” Pude reconhecer, com alguma dificuldade, a voz de meu antigo “amigo”. Disse a essa voz que desejava tão somente que ela me alertasse de todos os perigos que pudessem me levar às armadilhas da polícia, bem como auxiliar-me na escolha de minha próxima vítima e dar-me conselhos relativos à maneira mais inteligente e segura de matá-la. A alma limitou-se a declarar, lugubremente: “sim, senhor”. Afinal, o interesse maior dela era ser liberta, e, para isso, eu deveria obter uma alma-escrava substituta, ou seja, cometer um outro homicídio. E mesmo que ela quisesse se rebelar contra mim, de acordo com a magia negra isso não seria possível. Era, inexplicavelmente, obrigada a me servir da melhor forma.

Já afirmei aqui que não sei se esse fato insólito, sinistro, foi realmente efeito da magia negra ou simplesmente alucinações de uma mente enferma como a minha, que atribuía as sagazes conclusões de sua própria inteligência à algum espírito exterior. Admito ser um homem doente, e aquelas pessoas que conhecerem esta história não terão dúvidas em classificar-me como tal. Mas isso não me importa em absoluto, ainda mais agora. O que importa é que realizei a prática e, talvez por efeito real, talvez por mera sugestão psíquica, quatro dias depois passei a ouvir a voz de minha vítima, e a verdade é que durante os meses que antecederam meu segundo assassinato, todos os alertas e auxílios que ela me forneceu (ou eu mesmo o fiz, inconscientemente) consistiram em informações perfeitamente válidas.

E assim, fui prosseguindo minha senda de assassinatos através dos meses, dos anos. Jamais deixava a mínima pista. Minha aparência de bondade e ingenuidade aliada à minha inteligência mantinha-me sempre acima de qualquer suspeita. Porém, mesmo assim, a polícia suspeitou de algo, logo após meu quarto crime... Ela estava profundamente intrigada com aquelas mortes. Afinal, não se encontrava nenhum motivo para os assassinatos. As pessoas que eu matava geralmente possuíam uma considerável condição financeira, no entanto, nenhum roubo era constatado. Também eram pessoas de aparentes boas relações na sociedade, não tinham inimigos conhecidos ou suspeitos, não se envolviam em confusões, fossem em disputas econômicas, profissionais ou amorosas... Enfim, por que alguém as mataria?

De modo que a polícia desconfiou de que eu tivesse algo a ver com os crimes, pois, para eles, não podia ser simples coincidência o fato de que alguns meses depois de eu me tornar amigo das vítimas, elas fossem assassinadas. Ou eu mesmo cometia os homicídios, ou devia ser cúmplice. Foi o que me disse, em um tom de quase brincadeira, o detetive, quando esteve em minha casa para investigações. Tentava fazer com que eu caísse em contradição. Declarei, com extrema calma e indiferença, sem deixar de ser simpático, que ele poderia fazer qualquer tipo de investigação em minha vida, em minha casa, em minha profissão. Perguntou se eu tinha ou já tivera uma arma. Retorqui quem nem ao menos sabia atirar. Claro que ele não se convenceu, o detetive era um homem astuto. Afirmou que no momento era apenas uma averiguação de rotina e que não tinha nenhuma prova contra mim, nem sequer algum indício, fora o já mencionado, mas que alguma coisa em sua intuição dizia-lhe que eu tinha algum tipo de relação com os crimes... Ele voltaria. Nesse instante, tentei demonstrar algum embaraço alguma preocupação, um leve nervosismo, explanando, com certa indignação, que era um absurdo ele desconfiar de mim, alguém tão fiel às suas amizades. Creio que gaguejei ao me despedir, intencionalmente. Como percebi que o policial era alguém inteligente, se eu demonstrasse exagerada frieza, aí sim levantaria mais suspeitas, pois não condiziria com meu caráter terno e bondoso.

Decidi, daquele ponto para frente, tentar corrigir o único ponto ainda débil em meus crimes. Não poderia fazer apenas uma nova amizade e meses depois assassiná-la. Deveria fazer várias amizades, para matar apenas uma. Assim, não poderiam dizer que eu mataria a pessoa que se tornasse minha amiga. Tornei-me então uma pessoa de vasta vida social, saía quase todas as noites, frequentava clubes, academias, enfim, tornei-me conhecido e, com meu carisma, simpatia e boa-vontade para com os outros, não foi difícil realizar várias amizades ao longo dos anos. Claro que sempre auxiliado, em todos os instantes, por minha alma-escrava, que já era a quarta.

E os anos foram passando e os crimes aumentando em número. O detetive voltou algumas vezes à minha casa, mas nunca pôde nem mesmo realizar uma busca, pois não conseguia encontrar nenhuma pista real contra mim que suscitasse uma ordem judicial. Limitava-se a me fazer perguntas intimidadoras, até que, não obtendo nenhum resultado, desistiu. Não imaginava ele que minhas armas estavam em uma panela de alumínio na cozinha, que ficava dentro de seu campo de visão, ao sentar-se no sofá da sala. Sim, em uma panela sobre uma pequena mesa, totalmente visível. No fundo, estavam as armas, dentro de um saco plástico, cobertas por uma grande quantidade de arroz.  Quem desconfiaria de uma inocente panela de arroz?

E fui assassinando, assassinando, até que cometi meu 32º crime. Então... então algo absolutamente imprevisto aconteceu...
                         (Amanhã, a parte 8)

4 comentários:

Metáfora do Tempo disse...

O conto está sendo conduzido com maestria, muito coerente e cheio de expectativas. Aguardo o desenlace. Abraços!

Gilson disse...

A consciência começa a doer e a trizteza dos atos começam a ser atraidas para perto, é quase um poço sem fundo. Vamos ver se antes do 33º ele consiga encontrar alguém que transforme novamente a vida dele...........

Gisa disse...

Totalmente hipnotizada, sigo.
Um bj.

Mirze Souza disse...

Ai meu Deus!

Não sei se temo pelo escritor, ou pelo assassino.

Beijos

Mirze