14 novembro 2010

O Meu 33º Assassinato (Parte 5)

Conheci minha primeira vítima através de um de meus primos, era um seu colega de trabalho, daqueles homens arrogantes irritantemente insuportáveis. Antes de conhecê-lo, já havia decidido de forma definitiva, há semanas, que iniciaria minha senda de crimes, apenas aguardava qual seria a primeira vítima, aquela para a qual eu pudesse direcionar toda a violência luciferina do meu ódio. Não direi que, antes de tomar essa extrema decisão, não tenha tido ataques de consciência, que não tenha titubeado... Sim, o fiz, e, então, pensei em Deus.

Havia duas possibilidades. Ou Deus existe ou não existe. Se existe, deve ser justo e misericordioso. Sendo assim, saberá entender, talvez até perdoar, tanto os meus assassinatos quanto o uso da magia negra para melhor executá-los. Verá o quão justos seriam os meus atos homicidas. Além do mais, entenderá o quanto fui empurrado para o crime pelos próprios homens, por toda a humanidade. Aqui, lembro daquela frase de Brecht: “Dizem que são violentas as águas de um rio que tudo arrastam; mas não dizem que são violentas as margens que o aprisionam.” Isso, Deus, se existe, saberá entender, ainda que os homens não entendam. Mas, se Ele não existe, bem, então, nesse caso... Por que não deveria matar, se eu estava certo que a “justiça” humana jamais me pegaria?

Mas, como dizia, esperava ansioso por minha primeira vítima, e a encontrei. Aquele imbecil que se julgava autossuficiente era perfeito para ser odiado.  Devo esclarecer que a questão de odiar supremamente para matar não era apenas uma escolha pessoal, embora também o fosse. A prática de magia negra que eu realizaria no instante do homicídio, para resultar em sucesso, exigia que o assassino odiasse verdadeiramente sua vítima. Ah, e como eu odiava aquele idiota... Necessitei exercer a um nível extremo o meu autocontrole e a minha frieza para não o matar antes de me tornar seu falso amigo, e assim pôr tudo a perder.

Minha primeira vítima era um ser realmente desprezível. Possuía dinheiro e muita cultura, um excelente emprego, uma ótima reputação na sociedade. De modo que se julgava o melhor dos homens. Acreditava fanaticamente ter razão em tudo o que dizia. Aliás, a razão, a verdade, para ele, era sua propriedade privada. E ai de quem discordasse. E, diga-se de passagem,  foi assim que me tornei seu melhor amigo. Nunca discordava dele. Hipocritamente, eu confirmava todas suas rançosas ideias, opiniões livrescas, conceitos medíocres, preconceitos eivados de uma falsa sabedoria , enfim, eu limitava-me a declarar: “aham, tu estás coberto de razão!” Para que eu discutiria? Primeiro, que nada modificaria suas certezas, segundo, que meu objetivo era matá-lo, não empurrar doutrinas goela abaixo.

Ah, e como o mataria com prazer, aquele sábio de araque, que se acreditava superior a todos os outros, um pavão disfarçado de monge franciscano, gotejante de orgulho, querendo aparentar humildade e simpatia, quando, na verdade, bastava mirar em seus olhos para se perceber a viscosa vaidade que o arrastava. Andava sempre com um oblíquo sorriso no canto da boca, derramando superioridade e autossuficência vazias, com a mente abarrotada de teorias inúteis, sem nem saber as causas do seu próprio sofrimento, julgando ter a solução para todos os problemas da humanidade, quando não tinha nem a solução dos seus. Desejava que todos pensassem como ele, pois, fora de suas ideias, não podia haver nenhum outro pensamento válido, e ironizava, inchado de soberba, aqueles que pensavam diferente. Ah, só eu sei o prazer imenso em que me deleitei quando coloquei a pistola na sua testa e fitei os seus olhos de parvo implorante...

(Amanhã, a parte 6)

4 comentários:

angela disse...

Bem...começa a me dar arrepios.

Fєrnαndєz ♠♠ disse...

O personagem é mesmo um psicopata.
A gente percebe a frieza na forma como ele descreve seus crimes.

Muito bom!!

http://terza-rima.blogspot.com/

Aмbзr Ѽ disse...

a historia esta no seu auge. quando cheguei aqui hoje so havia lido a primeira parte. li todas até chegar aqui e confesso que adorei a sequencia o suspense, e confesso que imaginei a atmosfera da londres suja, no século XIX... por aí... viajei mesmo e amanha ou quarta retorno para ler o restante.

só pela discrição do sujeito, sentimos a aversão do personagem aos tipos fúteis que sempre o julgaram fraco. demais.

http://terza-rima.blogspot.com/

Mirze Souza disse...

Bárbaro!

Um cara assim Deus perdoa, acho!

Insuportável o perfil que descreveu da vítima!

Estou adorando!

Beijos, poeta!

Mirze