13 novembro 2010

O Meu 33º Assassinato (Parte 4)

Como já disse, executava meus assassinatos com extremo sangue frio e sentia um imenso prazer em matar. Mas não matava sem objetivos. Muito pelo contrário, minhas vítimas eram escolhidas com absoluta premeditação, e minhas escolhas tinham como objetivo realizar uma espécie de justiça particular. Primeiramente, eu escolhia aquela pessoa que eu mais odiasse no momento, e especificava para mim mesmo, de forma bastante analítica, os motivos do meu ódio. E tais motivos eram, para mim, perfeitamente justos. Não me preocupava se os demais iriam me condenar pelos meus atos impiedosos de dissimulação e de violência. Então, procurava assassiná-la da melhor forma possível, tirando o máximo proveito.

Mas o que seria esse “tirar o máximo proveito”? Primeiramente, consistia em matar sem deixar a mínima pista, no que sempre obtive êxito completo. Em um segundo momento, a minha vítima deveria sempre saber que eu seria seu assassino, e saber também dos motivos que me levaram a matá-la. Deveria saber que seria uma forma de vingança, de diabólica justiça. E, finalmente, eu deveria obter algum benefício espiritual daquelas pessoas que tirava a vida.

Agora chego a um ponto ainda mais absurdo. O fato é que principiei a estudar profundamente a magia negra. E com meus estudos, descobri que havia uma forma de fazer com que a alma do ser humano que eu matasse se transformasse em algo como uma escrava minha, permanecendo ao meu lado e comunicando-se comigo telepaticamente, alertando-me de perigos, de possíveis armadilhas da polícia e informando-me das prováveis formas de cometer meu próximo homicídio. Essa alma somente deixaria de ser minha escrava, seria liberta, após eu matar outra pessoa, utilizando-me da prática de magia.

Talvez, aqui me acusem de uma completa loucura. Não sei, é possível, não direi que não. No entanto, o que é a loucura? Não seria a inteligência suprema, como diria Poe? Ou, se não é o meu caso, talvez seja simplesmente uma forma extrema de perversidade específica, que tanto se fortaleceu que acabou por tomar o controle da psique de determinado indivíduo. Dessa forma, naquela semente de mal que há em cada um de nós, há também o gérmen da loucura. Qualquer um pode enlouquecer, basta que esse gérmen seja alimentado pelas adequadas circunstâncias exteriores.

Eu, sinceramente, não sei se enlouqueci. Porém, se isso ocorreu, foi-me de uma íntegra utilidade. Sim, utilizei-me da magia negra. Seria magia mesmo, ou eu simplesmente tinha alucinações com as pessoas que matei, imaginando que elas estavam ao meu redor alertando-me de perigos? É possível que tais informações que os supostos espíritos me transmitiam fossem, na verdade, criadas pela minha própria inteligência, e eu, alucinado, enfermo, atribuísse às almas dos mortos. Mas também é possível que fossem elas mesmas, a sensação de realidade era indiscutível. Não sei, e ninguém pode garantir nem uma coisa nem outra. Cada um apenas elaborará a sua limitada teoria.  O que sei, é que, realizando a prática de magia negra, tudo funcionou perfeitamente. Fosse sugestões de minha loucura, fosse realidade, o fato é que, quatro dias após a morte de minha primeira vítima, eu ouvi, ou julguei ouvir, sua voz em tom de submissão em meus ouvidos.

Não irei, obviamente, realizar uma lista de todas as pessoas que assassinei ou esclarecer os motivos e circunstâncias de suas mortes. Limitar-me-ei a falar algo sobre a primeira e a última delas. Tinha 27 anos quando cometi meu primeiro assassinato. Estou hoje com 41 anos. Nesses 14 anos, matei 32 pessoas. Como disse, escolhia minhas vítimas pelo grau de ódio que por elas alimentava. Sempre assassinava quem eu mais odiasse em determinado momento. Realizada a escolha, elaborava um plano praticamente perfeito para levar a cabo minhas intenções. O primeiro passo era, invariavelmente, tornar-me, através de minha insuspeita e extrema dissimulação, amigo de minha futura vítima. E um amigo de absoluta confiança. Depois disso, o resto consistia em estudar o terreno para o assassinato e aguardar o mais adequado momento...

 (Amanhã, a parte 5)

6 comentários:

Patrícia disse...

Tem um presentinho no meu blog para vc!
bjsss

Matheus de Oliveira disse...

Espetacular, teu conto é de uma coerência sensacional. Vamos aguardar o desfecho...

Sonhadora disse...

Agora com o aditivo da Magia Negra é que a coisa prometer ficar ainda mais intensa. Aguardando o próximo. Bom domingo.

angela disse...

O fantástico começou a fazer parte. Vamos ver como continua.

Aмbзr Ѽ disse...

ta dificil parar de ler...

http://terza-rima.blogspot.com/

Mirze Souza disse...

Um show!

Reiffer, você pensou em todos os detalhes. A magia de suas palavras envolve mesmo!

Bravo!

Beijos

Mirze