11 novembro 2010

O Meu 33º Assassinato (Parte 2)

Não saberia dizer com exatidão quando o mal principiou a virar o jogo em minha psique, quando comecei a abandonar minha bondade para gerar em meu interior um demônio assassino. Mas passei a perceber alterações em meu comportamento, no que eu sentia e pensava, alguns poucos anos depois do final de minha adolescência. Foi quando iniciei a me dar conta de que o mundo era bem pior do que eu até então imaginava, e que o ser humano está muito mais próximo dos demônios do que dos anjos... Fui, aos poucos, percebendo que todo o bem que vivia em minha alma era inútil quando se tratava da relação com outras pessoas.

Eu era julgado um ingênuo, um bobo, era ridicularizado, às minhas costas, por pessoas das quais jamais suspeitaria. Até mesmo alguns de meus amigos, amigos em quem eu confiava, em quem depositei toda a sinceridade de meu ser, diziam (pelas minhas costas, e imaginando que eu nunca ficaria sabendo) que toda a minha bondade era somente aparência, era disfarce, hipocrisia, fingimento. Eu não poderia ser tão bom quanto aparentava, era impossível, era desumano. Aqueles hipócritas acusavam-me de hipocrisia. Sim, talvez eles tivessem razão, pois me tornei um verdadeiro diabo. Porém, naquela época, tudo em mim era absolutamente sincero, e eu não pude suportar a dor advinda de saber o que meus próprios amigos pensavam de mim. Se os amigos assim pensavam e agiam por traição, o que esperar dos demais?

Mas é claro que não foi apenas esse fato o responsável por minha hedionda transformação. Foram muitos outros, que se acumularam lentamente, somando-se a tudo o que feria os meus sentimentos, desde decepções amorosas até humilhações por parte daqueles que se consideravam superiores a mim por estarem em melhor condição econômica, melhor posição social, pelo seu prestígio vazio dentro da sociedade, enfim... Junte-se a tudo isso a minha solidão e isolamento, o meu abandono, a incompreensão de minhas boas intenções por parte de quase todos aqueles que conviviam comigo.

Assim, fui conhecendo a realidade do homem e da humanidade. E a decepção foi a mais cruel possível. Olhando para o mundo com novos olhos, com olhos frios e desiludidos, compreendi que o amor, em seu verdadeiro sentido, não habitava o coração de praticamente ninguém. Por isso, não acreditavam que pudesse haver verdadeira bondade em mim. Porque me viam através de si mesmos. Sentindo na pele as traições e humilhações, aprendi definitivamente que não se podia confiar em ninguém, nem na sinceridade dos amigos, nem nos amores das mulheres.

Eu, que sempre confiara na justiça humana, caí em abatimento quando verifiquei o império da injustiça por todos os cantos. Vi, estupefato, a entronização da mediocridade, a vitória na sociedade daqueles que mereciam ser jogados no mar com uma pedra atada no pescoço. Conheci o maior dos méritos: o obtido pelo dinheiro, pelo apadrinhamento, pelas influências ilegais. Contemplei, abismado, o triunfo da imbecilidade, de tudo o que é fútil e vazio, das frívolas aparências enganosas, das “artes” mais desprezíveis, das degenerações psíquicas mais rasteiras, dos sentimentos mais baixos, dos pensamentos mais inúteis, da perversidade, do mau-caratismo, da corrupção em todos os sentidos, da aniquilação impiedosa de todo um planeta... Bom, já basta.

Sentindo em minha alma todo esse horror, não pude mais manter a bondade e a nobreza em meu coração. Os meus sentimentos foram se modificando sombriamente, e com eles a minha mente. Eu sempre fora uma pessoa de grande inteligência. Apesar de alguns me julgarem ingênuo, eu não o era. Inocente, talvez, mas nunca ingênuo. E essa minha assombrosa inteligência fez de mim um assassino que jamais deixou pistas...
(Amanhã, a parte 3.)

12 comentários:

Gisa disse...

Metamorfoses de uma mente ou consolidação de uma tendência? O bom e o mau em conflito. Ganha quem tiver o maior incentivo. Fatos e sociedade na plateia...
Um bj. e aguardo...

Anita disse...

Bom dia!
Muito honrada pela visita, e ainda mais pelo elogio, visto que meu blog é um recém nascido perto do teu.

Gostei do que vi por que, prometo que vou voltar pra terminar e leitura.

ABraços.

Ju Fuzetto disse...

Tô adorando!!

beijos amigo

Gilson disse...

Esse relato é o que mais acontece infelizmente na transformação das pessoas da adolescência para a vida adulta, contudo sempre haverá nessa sociedade hipócrita a possibilidade de sermos uma pessoa que cultiva o bem, sempre acharemos uma mulher que nos amará e honrará nossa vida. A questão é simples, que rumo você quer seguir, se permitir abduzir pela sociedade ou seguir os instintos purosa e verdadeiros que trás na sua alma.

Abraços

angela disse...

Encontram-se motivos para qualquer tipo de conduta. O mundo dos homens tem de tudo, pesca-se o que melhor lhe convier.
Vamos continuar seguindo as desculpas do assassino.
beijos

Rafael Castellar das Neves disse...

E este também está no livro? Muito bom!! Gostei do seu jeito de escrever...vc sabe o nome da pintura da imagem do seu?

Hora destas, vamos trocar emails sobre estas publicações de livros, fiz minha primeira de forma independente..

[]ss

Sonhadora disse...

Ontem, li a parte 1 com uma curiosidade absurda. Hoje, acordei e cá está a parte 2. Já estou aflita pela parte 3,rs.

Muito bom mesmo, ler o que você escreve é como desperceber a aranha tecendo a teia em seu redor.

Até amanhã =)

Sonhadora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sonhadora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mirze Souza disse...

Muito BOM!

É assim mesmo, segundo estudiosos que a mente humana (não saudável psiquicamente) é aniquilada e vira o jogo.

Fantástico Reiffer! Ansiosa aguardarei o próximo capítulo!

Cara, você escreve bem demais!!!!!


Abraços

Mirze

Aмbзr Ѽ disse...

uma dissecação profuda de um duelo entre nossa fragilidade humana ante outros que sabem de nossas fraquezas, e subestimam o que podemos ou nao fazer.

http://terza-rima.blogspot.com/

Agnes Mirra disse...

Instigante...