05 outubro 2010

Por que Escrever?

Quanto ao ofício de escrever, não admito cartilhas, manuais, teorias, enfim, todas essas baboseiras que pretendem nos ensinar artificialmente a escrever. Se alguém disse com real propriedade, na minha opinião, o que é escrever, foram o poeta alemão Rainer Maria Rilke (1875 - 1926) e o poeta e escritor alemão/americano Charles Bukowsky (1920 - 1994), literatos que muito aprecio, principalmente o Rilke. Abaixo, o que disseram Rilke e Bukowsky a respeito (na imagem, Rainer Maria Rilke):


"Procure entrar em si mesmo. Investigue o motivo que o manda escrever; examine se estende suas raízes pelos recantos mais profundos de sua alma; confesse a si mesmo: morreria, se lhe fosse vedado escrever? Isto acima de tudo: pergunte a si mesmo na hora mais tranquila de sua noite: "Sou mesmo forçado a escrever?" Escave dentro de si uma resposta profunda. Se for afirmativa, se puder contestar àquela pergunta severa por um forte e simples "sou", então construa a sua vida de acordo com esta necessidade. Sua vida, até em sua hora mais indiferente e anódina, deverá tornar-se o sinal e o testemunho de tal pressão. Aproxime-se então da natureza. Depois procure, como se fosse o primeiro homem, a dizer o que vê, vive, ama e perde. (...)"
Rainer Maria Rilke



Então queres ser escritor? 

se não sai de ti a explodir
apesar de tudo,
não o faças.
a menos que saia sem perguntar do teu
coração da tua cabeça da tua boca
das tuas entranhas,
não o faças.
se tens que estar horas sentado
a olhar para um ecrã de computador
ou curvado sobre a tua
máquina de escrever
procurando as palavras,
não o faças.
se o fazes por dinheiro ou fama,
não o faças.
se o fazes para teres
mulheres na tua cama,
não o faças.
se tens que te sentar e
reescrever uma e outra vez,
não o faças.
se dá trabalho só pensar em fazê-lo,
não o faças.
se tentas escrever como outros escreveram,
não o faças.

se tens que esperar para que saia de ti a gritar,
então espera pacientemente.
se nunca sair de ti a gritar,
faz outra coisa.

se tens que o ler primeiro à tua mulher
ou namorada ou namorado
ou pais ou a quem quer que seja,
não estás preparado.

não sejas como muitos escritores,
não sejas como milhares de pessoas que se consideram escritores,
não sejas chato nem aborrecido e pedante, 
não te consumas com auto-devoção.
as bibliotecas de todo o mundo têm bocejado até adormecer
com os da tua espécie.
não sejas mais um.
não o faças.
a menos que saia da tua alma como um míssil,
a menos que o estar parado
te leve à loucura ou ao suicídio ou homicídio,
não o faças.
a menos que o sol dentro de ti
te queime as tripas,
não o faças.

quando chegar mesmo a altura,
e se foste escolhido,
vai acontecer
por si só e continuará a acontecer
até que tu morras ou morra em ti.

não há outra alternativa.

e nunca houve.

Charles Bukowski

7 comentários:

Weimar Donini disse...

Bukowski é inigualável e paira sobre nosotros. É demais!

Aмbзr Ѽ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aмbзr Ѽ disse...

bukowski é demais... referência inegável, adoro .
bjs, excelente post.

http://terza-rima.blogspot.com/

| A.Luiz.D | disse...

Me interesso bastante por Bukowski, des da obra Misto Quente,
Mas Rilke com certeza vou apronfundar, gostei...

abraç

Mirze Souza disse...

Maravilhoso!

Adoro Rilke, e tanto mais leio, mais quero penetrar em seu pensamento, em seus anjos e dúvidas. Ele é humano ao extremo.

Charles Bukowiski me leva à uma profunda meditação. E me sinto uma inútil ao escrever.

Excelentes, ambos!

Abraços

Mirze

Agnes Mirra disse...

Forte e arrebatador! Um poema que chama muito a atenção e põe à reflexão.

Aneshka disse...

Eu te mandei isso do Rilke certa vez; quando o leio não posso deixar de pensar em meus amigos poetas, escritores e por que não em mim mesma?...
Ótimo post.