26 setembro 2010

Palavras de Paz

não se pode ludibriar um poeta
com os símbolos das palavras
porque só ele conhece a todos:
poeta é o que sabe os significados perdidos...
quem tem olho que vê o fundo do escuro
não se engana com o brilho fácil das luzes
quem tem íris que capta o negro da noite
não se engana com o sonho fácil das cores...

acima das plumas brancas da esperança
paira a sábia asa-sangue do abutre
e a firme garra impiedosa do gavião...

os melhores vinhos trazem as trevas da morte
e os piores raios brilham como as luzes do dia...

e há tanta paz no olho do furacão...

7 comentários:

Lara Amaral disse...

Poeta: olhar de lâmina, palavra em riste.

Lindo poema!

Ju Fuzetto disse...

Intenso, mágico!!


boa semana amigo, beijo

Aмbзr Ѽ disse...

lindo, trágico, crítico...

sem palavras.

http://terza-rima.blogspot.com/

Karla Thayse disse...

Obrigada por visitar meu cantinho e pode voltar lá sempre que sentir vontade, será um prazer recebê-lo.
Você escreve muito bem!
Tenha uma semana de paz!
Abraço

Moll Fry disse...

intenso, sombrio e envolvente... perfeito como sempre... beijos

Mirze Souza disse...

Fantástico, Reiffer!

As luzes da escuridão são as que mais guiam.

Beijos

Mirze

Juliana M. Mesquita disse...

Sou ávida leitora mas tímida para comentar. Vim lendo seu blog do início, e aqui tive que parar para um respiro. Este foi a gota d'água e tirou meu fôlego, ainda que esteja mais interessada que nunca.
Até breve!
:)) Muito bom!