13 setembro 2010

Nada a (me) Declarar

para que ler os teus jornais de hoje
se no outro fatídico dia
as notícias já irão ser outras
e logo tudo estará passado?
e não ficará nada mais a meu lado...

tu, humanidade,
o que é que tens a me dizer?
tuas filosofias são cadáveres de boca-aberta
tuas esperanças são finais de piadas
e tuas políticas o princípio delas...
têm mais a me dizer as cadelas.

lá vão os teus intelectuais babando
sobre o nada-adiantar do nada de suas babas
as suas teorias que a tudo explicam
a não-ser o que se precisa saber...
aqui neste planeta exangue
(tu bem o sabes)
o que importa é o Sangue...

3 comentários:

Michelle Buss disse...

"tuas filosofias são cadáveres de boca-aberta
tuas esperanças são finais de piadas
e tuas políticas o princípio delas...
têm mais a me dizer as cadelas."

Verdades! Muitas verdades...

Mirze Souza disse...

MUITO BOM!

Reiffer!

"Aqui o que importa é o SANGUE"!

Infinitos os sentidos neste poema!

Profundo e belo!

Um abraço!

Mirze

Aмbзr Ѽ disse...

muito ácido...

amei o estilo... a revolta!

http://terza-rima.blogspot.com/