10 agosto 2010

à Tua Companhia...

não vás
sem mim
sentença
e fim...
tu és tudo que me resta pela estrada...

eu não
me vejo
sem teu
desejo...
tu és lábio que me paira pelo nada...

traguei
de um lago
meu sonho-
estrago...
no que sinto é onde está tudo que tenho...

teu beijo
abraço
com meu
cansaço...
nos teus olhos é que lua o meu empenho...

sem ti
sou fumo
que me
consumo...
na tua alma é onde Brahms melodia...

meu canto
alaga
de sono
e vaga...
no teu nome é que me erro: Melancolia...

9 comentários:

LIFE Graciela Bacigalupe disse...

Simplemente melodioso y bellísimo.Un abrazo y mi admiración.

Metáfora do Tempo disse...

A musicalidade, o ritmo e a densidade emocional do poema são realmente comoventes. O final, como sempre, é surpreendente. Abraços!

Mirze Souza disse...

Excelente!

Ritmo e poema!

"na tua alma é onde Brahms melodia...."

Só um músico-poeta!

Bravo!

Abraços

Mirze

Richard Mathenhauer disse...

Brahms.
Ele não poderia faltar em versos tão melancólicos...

Abraços, meu caro Reiffer.

Lara Amaral disse...

Uma companheira e tanto para mim e para minha poesia tbm essa Dona.

Beijos.

Aмbзr Ѽ disse...

você é forte com palavras rebuscadas em um conto sombrio, e igualmente forte, porém singelo em um poema tão lindo e ritmado.

versatilidade pura.

http://terza-rima.blogspot.com/

Agnes Mirra disse...

Perfeito! Melancolia, versos, música... Juntando tudo com a alma de Reiffer, é o verdadeiro apocalipse!

Parabéns inspirado e inspirador Amigo! Sua arte está sempre em chamas...

Fernández ♠♠ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernández ♠♠ disse...

Que lindo! DaS rimas à estetica vc nos presenteia com mais um de seus belos escritos.

É POR ISSO QUE SOU FÃ!

http://terza-rima.blogspot.com/