28 agosto 2010

Soneto ao Tempo

deixa que passe o que de mim se corre
verás então que cada vez mais rápido
cada vez mais o que se bebe ao trágico
é todo um sonho em correnteza em porre...

deixa que esguiche e que de mim se jorre
tudo que sinto ao cada vez mais ávido
verás então que é cada vez mais válido
este meu Fim que a outro Fim socorre...

verás ao não como ocultei meu lago
com som de pulso este meu sim pressago
inundará tudo o que em ti derrama...

o teu dormir eu sempre sou que trago:
quando se dorme o sangue queima em chama
quando se morre o rio de Deus se inflama...

7 comentários:

Mai disse...

Urgências de amar.
Uma obra prima este soneto.
Nas horas em que jorra o amor, o tempo deveria parar.

Belo!

Matheus de Oliveira disse...

De fato, uma obra prima! Belo, profundo, expressivo, impregnado de enigma e de musicalidade. Parabéns!

Juci Barros disse...

Mui belo.

Michelle Buss disse...

"quando se dorme o sangue queima em chama"

profundo... absoluto!

Lara Amaral disse...

Incrível soneto, quantas sensações provoca!

Grande abraço.

Sonhadora disse...

Meu querido Poeta
Profundo, sensações à for da pele.
Sente-se apenas.

Beijinhos
Sonhadora

Aмbзr Ѽ disse...

adorei o fim desse soneto...

indescritível, é o que posso falar.

http://terza-rima.blogspot.com/