08 agosto 2010

Mais um Trecho de um Instante de Sono

vou ver-se durmo a versar só pelo não-dito
cair em névoas tudo que me deixa aos olhos
descendo oculto nunca desvelar-me sendo
a ver se pairas no que sou estas essências...

majestei-me às asas fêminas sem destino
perdi-me em cânticos sentenças que te foram
lá que encontro as febres que à noite me serenam
como luzes de um segredo desse sangue e astro
encontro-me ao sopro que não chegou-me antes
sonata do meu sono que sonhei-vertigem...

dormir é revolver-se um livro interno
dormir é resolver-se em esquecimento
imortal fatal momento
no eterno...

8 comentários:

Mirze Souza disse...

Reiffer!

Quanta riqueza em um só poema!

No dormir, versar pelo não dito, descendo oculto e nunca desvelar-me sendo....

DIVINA sonata em sonhos de Dó Maior!

Um forte abraço!

Mirze

Leca disse...

Dormir...
é se refazer...
é sonhar...
é temer...
é quase morrer...
Beijos...
A...Reiffer...
você pode tentar e novo...?
e me enviar o zine...?

alessandrappfabre@gmail.com

Obrigada...
Beijos

Leca

Michelle Buss disse...

Tanta poesia que transcende de ti!

Lindos versos!

"dormir é revolver-se um livro interno
dormir é resolver-se em esquecimento"

Lara Amaral disse...

Uma definição perfeita para mim, impecável poema!

Beijo.

Alberto Ritter Tusi disse...

Putz... Esse foi demais, cara!!!

Abraço!

Aмbзr Ѽ disse...

adorei.

dormir, as vezes para esquecer. porque na insônia nossas preocupações se deitam no leito, conosco.

great!

http://terza-rima.blogspot.com/

Cris de Souza disse...

Construção majestosa!
Versos sonâmbulos, deveramente exaltados...

Beijos, poeta!

Agnes Mirra disse...

Lindo mesmo! Tudo que te inspira ganha mais beleza ou escuridão! Quem dera entrar em sua mente por alguns instantes no momento que crias... rs! Um dia te sequestro, Amigo!!!rs

Parabéns sempre!Você me alimenta!