03 julho 2010

Ó Noite, Imperatriz do Mundo!

aos poucos
como a queda dos impérios
cai a Noite universal
sobre o destino da humanidade
com tudo o que nela se oculta...

Noite...
tu sabes que tu governas
que o teu medo domina
nos quatro cantos da terra
enquanto os homens riem pelas festas,
na imponderabilidade das trevas
tu preparas as tuas surpresas...

tu preparas as tuas surpresas
nos olhos rubros do demônios
que espreitam atrás dos galhos
na densidade do silêncio tenso
quebrado pelo susto do grito do gato
pela ameaça do rosnado canino
pela espera do assalto
na curva invisível da esquina...
tu, Noite, preparas as tuas surpresas
para o destino da humanidade...

é no teu seio que as bruxas conciliabulam
que os morcegos vampiram pelas vítimas
que as corujas agouram pelos sinos
que os amores proibidos se fatalizam
que os vinhos metaforizam sobre o sangue
que os malditos poetas marcham fúnebre
e que certos astros da terra se aproximam...
é na Noite que as coisas acontecem...

Noite, tu preparas as tuas surpresas
para o destino da humanidade...
homem!
caminha alerta pela Noite
que tu não podes pelo escuro
ver da Noite o segredo profundo...

ó Noite, Imperatriz do Mundo!

3 comentários:

Lara Amaral disse...

A maior e mais solitária companhia dos poetas.

Abraço.

Luna disse...

eeeii A. Reiffer ...como está?

Olha, vou deixar pra vc , um trecho de uma musica antiga que seu poema me remeteu, acho q vc não a conhece, ela se chama
''OLhos Vermelhos''

''O mundo vive a noite
Todo mundo espera tudo da noite
Nela tudo pode...
O mundo vive a noite
E a fera ruge...
Todo mundo espera tudo da noite
Todo mundo foge é da solidão''


um bju em teu ♥

Richard Mathenhauer disse...

E todavia, é na noite (não metafórica) que me sinto livre...

(dai-me uma lanterna)

Com admiração, obscuro poeta.