26 julho 2010

Fim, de Murilo Mendes

Murilo Mendes, nascido em Juiz de Fora, MG, em 1901 e falecido em 1975 é um dos maiores nomes da 2ª Geração Modernista, representando com grandeza o surrealismo em nossas terras, sem no entanto, prender-se somente a ele. É um dos meus poetas modernistas prediletos, seja pela sua imensa variedade de temas abordados, seja pela originalidade e profundidade de quase tudo que surgiu de sua pena, tanto em conteúdo como em forma. Abaixo, um poema de Murilo Mendes. (Na imagem que acompanha o poema, "O Juízo Final" de Michelangelo)

Fim

Eu existo para assistir ao fim do mundo.
Não há outro espetáculo que me invoque.
Será uma festa prodigiosa, a única festa.
Ó meus amigos e comunicantes,
tudo o que acontece desde o princípio é a sua preparação.

Eu preciso assistir ao fim do mundo
para saber o que Deus quer comigo e com todos
e para saciar minha sede de teatro.
Preciso assistir ao julgamento universal,
ouvir os coros imensos,
as lamentações e as queixas de todos,
desde Adão até o último homem.

Eu existo para assistir ao fim do mundo,
eu existo para a visão beatífica.

Murilo Mendes

2 comentários:

Cris de Souza disse...

" E para saciar minha sede de teatro..."

Aplaudo algo assim.

Beijos.

Alberto Ritter Tusi disse...

Massa.

http://www.youtube.com/watch?v=Nsw1kdLqfec

Ouve aí esse vídeo. Tinha te falado dele estes tempos, este moteto é considerado uma das grandes perfeições musicais da história.