29 junho 2010

Sobre uns Versos do Pedro Ortaça*

“Eu nunca pedi bexiga pra patrão ou pra milico,
Por isso ninguém me obriga a ser pelego ou pinico,
Não choro por rapariga nem tiro chapéu pra rico...”

Pedro Ortaça – música “Guasca”

o verso não se dobra:
se eu escrever um verso bárbaro absurdamente extenso
ele
não pode
ser publicado
dobrado
assim
só para
se adequar
ao formato
do veículo
de publicação

o verso não se dobra.
e o poeta também não.

*Pedro Ortaça é cantor e compositor tradicionalista gaúcho

4 comentários:

Sandra Botelho disse...

O verso não se dobra, nem o poeta...
O verso é o desdobramento do poeta.
Bjos achocolatados

Patricia Garbuio Bittencourt disse...

Lindo!Vc tem muito bom gosto.bjsss

Alberto Ritter Tusi disse...

Baita versos estes!


Bah, o Borges é demais... Baita metáfora aquela de amoedar o vento! hehe, é muito metafísico mas com algo grosso, gaudério,hehe.

Abraço

Bєzєяяa Guimaŗãeร disse...

Muito bonito! Adorei.


Beijos,
Ry.