16 maio 2010

Romantismo é a Busca do Homem Além do Homem


Para você, leitor, o que significa a palavra “patético”? Engraçado, ridículo? Hoje, certamente, sim. Porém, originalmente, patético era sinônimo de trágico, algo que desperta muitos sentimentos, sentimentos dolorosos. Isso justifica por que existem obras na música clássica chamadas de ‘patética”, como é o caso de uma das mais conhecidas sonatas para piano de Beethoven e da última sinfonia de Tchaikovsky. Obviamente, tais obras nada têm de engraçado. Muito pelo contrário... Patético vem de “pathos”, palavra grega que significa algo como doença, sentimentos doentios, sofrimento...

As palavras perdem seu significado com o passar do tempo, ou adquirem outros completamente diferentes. É o caso das palavras “romântico” e “romantismo”. Se não passaram a ter um significado completamente diferente do original, soam nos dias atuais de forma bastante limitada e pejorativa. O romantismo é entendido hoje pela imensa maioria das pessoas como algo unicamente relacionado aos sentimentos amorosos entre homem e mulher, e o “romântico” é visto geralmente como alguém sonhador, ingênuo, apaixonado e, até mesmo, “meloso”.

Porém, o verdadeiro romântico vai muito além de tais designações degeneradas. Não vou me deter na análise etimológica da palavra romântico, mas sim ao seu amplo significado durante o período do Romantismo nas artes, que engloba as décadas finais do século XVIII (mais especificamente, desde 1774, quando Goethe publicou o célebre “Werther”, dando o pontapé inicial do movimento romântico) e uma grande parte do século XIX, quando ocorreu o auge do Romantismo.

Também não irei realizar uma sobreposição de características românticas. Meu objetivo é ampliar a visão do significado do Romantismo, principiando por afirmar que todo período artístico (Romantismo, Realismo, Simbolismo, Barroco etc.) é tão somente a “explosão” de determinadas naturezas e necessidades psíquicas humanas, que se sobrepõem a outras naturezas e necessidades, que não desaparecem, apenas se tornam latentes ou secundárias. Sendo assim, o Romantismo não foi só um período ou movimento artístico, foi, antes de qualquer coisa, a manifestação mais ampla e generalizada de algo que existe em todo ser humano, em maior ou menor grau: a busca de um ideal particular. De modo que o Romantismo sempre existiu no ser humano e sempre existirá, apenas manifestando-se de formas diversas.

Romantismo, então, de forma essencial, é idealização e idealismo, e uma idealização buscada em nossa própria individualidade, seguindo os ditames de nossa própria consciência. E a busca de um ideal só pode ser realizada com a exaltação emocional, é preciso ter muito sentimento para se obter forças anímicas a fim de se lutar por um ideal que pode ser inatingível. A partir desse conceito, todas as outras características românticas derivam-se, basta analisarmos uma por uma. Para atingir e expressar um ideal particular, os românticos perceberam que necessitavam primeiramente quebrar todas as regras estabelecidas, as regras do Classicismo que preconizavam a impessoalidade e a frieza emocional. Dessa necessidade de romper com os padrões e de expressar a própria alma surge toda a revolta e a rebeldia românticas. E da rebeldia nasce o culto a tudo que vai contra o que é considerado fora dos padrões. É exaltada a loucura em detrimento do bom senso; a noite e a sombra versus a claridade do dia; o amor impossível e doentio versus o amor saudável; a melancolia versus a alegria, o sonho versus a realidade; o sobrenatural e o mistério versus o normal e o cotidiano, o sublime versus o vulgar, enfim... Mas percebamos que todas essas características sempre serão idealizadas. O romântico não busca o amor em seu estado comum, mas o amor ideal. Por isso, impossível, ou quase. Não busca a melancolia pura e simples, mas a melancolia sublime. Não vê a arte como uma manifestação comum do homem, mas algo como uma missão divina e acima dos homens comuns.

Romantismo é a busca do homem além do homem. Este seria o ideal romântico supremo. Por isso não hesito em afirmar que todo gênio, principalmente o gênio artístico, é romântico, ainda que não esteja incluído no movimento romântico propriamente dito. Não que todo gênio seja somente romântico, claro que não. Um gênio autêntico é sempre inclassificável, a tudo transcende. O próprio Goethe, precursor do Romantismo na literatura, e Beethoven, iniciador do movimento romântico musical, não eram somente românticos, tinham muito também de clássicos. E assim, da mesma forma, ocorre com gênios que não se incluem no período romântico. Não são apenas românticos, mas têm fundamentais aspectos românticos em sua vida e obra.

O gênio artístico (não só o artístico, mas principalmente este) é antes de tudo um grande idealista. Vive por esse seu grande ideal: o da superioridade de sua obra, seja consciente ou inconsciente. Está convicto da grandeza e sublimidade de sua criação, por conseguinte, considera o seu pensamento e sentimento particulares como acima do pensamento e sentimento comuns a todo e qualquer ser humano. E isso é algo altamente romântico. O que há de mais romântico do que seguir somente aquilo que lhe dita sua própria convicção, sua própria consciência, como um ideal a ser atingido, independente do que outros lhe digam ou do que prepondera ao seu redor?

O leitor poderá argumentar que nos gênios do Realismo ou do Classicismo não pode haver Romantismo. Eu rebaterei questionando sobre o seguinte: o Realismo não é simplesmente um Romantismo frustrado? Tenho para mim que todo realista é um romântico que cansou do seu Romantismo. O nosso maior realista na literatura, Machado de Assis, era romântico em sua fase inicial, mas percebeu que para ele o Romantismo já não fazia mais sentido. O Ultrarromantismo já indica claramente um cansaço de Romantismo. É só o leitor analisar a 2ª parte da “Lira dos Vinte Anos” de Álvares de Azevedo. Ali, em uma obra considerada tipicamente romântica, há toda uma destruição do Romantismo, fortes indícios de Realismo. O mesmo acontece em várias obras de Byron. Por quê? Por que Álvares de Azevedo e Byron não eram românticos? Óbvio que não é isso, é porque eram tão românticos (eram ultrarromânticos!), voaram tão alto, que sentiram como poucos a dor da queda. E isso é o mesmo que acontece com os realistas. São românticos que caíram do voo e não suportaram sua dor. O mesmo se dá com Baudelaire, o criador da poesia moderna. Além do mais, não é romântico modificar o mundo, o homem, pela arte, como pretendiam os realistas?

E quanto aos classicistas? Bem, aqui vou me deter na música. Quais os maiores nomes do Classicismo musical? Haydn e Mozart. Ambos, é sabido por todos os conhecedores de música clássica, possuíam muito de romântico em várias de suas obras. E justamente tais obras pré-românticas estão entre as melhores dos compositores citados. Tal fato fala por si.

Logicamente, não me deterei aqui a analisar cada um dos gênios artísticos fora do período romântico para determinar o seu respectivo grau de Romantismo. Isso o leitor mesmo poderá realizar. Porém, seria interessante citar os nomes, na literatura, de Cervantes, com seu louco idealista e sublime Dom Quixote, Shakespeare (para que alguém mais romântico que Hamlet? Ou história mais romântica que Romeu e Julieta?). E o modernista Fernando Pessoa? E o renascentista Camões? E a loucura de Rimbaud? E profundo idealismo de Dante? E a lista não teria mais fim. Isso para ficar somente na literatura.

Porém, creio ser oportuno falar algo de Bach, o gênio do Barroco que influenciou imensamente o Romantismo e toda a música posterior a ele. Seria o barroco Bach também um romântico? Eu não tenho dúvidas que sim. No artigo “Johann Sebastian Bach”, Josep Pinto e Guido Castillo afirmam: “como toda criação suprema do espírito, a obra de Bach – clássica, barroca e romântica – está muito além de qualquer classificação.” Mais adiante, é dito que os românticos viram em Bach a personificação do gênio que segue somente seus próprios ditames, “um imenso mar e centro da música, sempre mutável e sempre ele mesmo”. “Sempre ele mesmo”! Não está aqui uma essencial característica romântica: sermos sempre nós mesmos, realizar a nossa individualidade? Bach, muito embora compusesse obras sob encomenda, punha em todas elas o seu próprio ser, o seu sentimento individual, a sua alma, o seu ideal de música, fosse ele “atual” ou não, estivesse ou não na moda. “Estar na moda” não interessava a Bach. Por isso foi considerado na época ultrapassado, sendo resgatado mais tarde pelos românticos. O que interessava a ele era expressar a sua convicção artística, o seu elevado e supremo ideal: a música é divina e a Deus deve conduzir o homem. Isso nada mais é que Romantismo dentro de um pensamento barroco.

Espero ter deixado claro com este artigo, ao menos, que Romantismo é muito mais que esse conceito vergonhosamente limitado, degradado, falso dos dias atuais. O romantismo de que se fala hoje, deve ser grafado com letra minúscula. O outro, com maiúscula.

(Na imagem, “Caminhante sobre o Mar de Névoa”, de Caspar David Friedrich, um dos maiores nomes da pintura romântica.)

7 comentários:

A. Reiffer disse...

Este texto suscitou interessantes debates em duas comunidades do orkut, para os que quiserem acompanhá-los, são elas: Literatura, e Eu Acredito em Bach

Sandra Botelho disse...

Romantismo?
Existe mais não meu caro amigo...
Extinguiu-se.
Bjos achocolatados

Denise Portes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Denise Portes disse...

Reiffer
Amei o texto, sou uma romântica que caí do voo e não suportei minha dor,surgiu em mim toda a revolta e a rebeldia romântica.
Ao conhecer seus textos, reconheci um romântico, com sabores ácidos, mas um romântico de olhos doces.
Lindo texto, uma aula sobre o amor!
Beijos
Denise

Leticia Duns disse...

Olá!!!

Passando para dizer que em um pequeno gesto de carinho, postei um selo para você lá no meu blog. Em agradecimento às belas palavras que me inspiram tanto.

Beijos
Leticia Duns.

Alexandre disse...

Pois eu digo que o Romantismo está voltando
E com força total!!!

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver meu Curso de Informática online.Emily Nascimento