11 maio 2010

"Política é a Arte de Namorar Homem."


O grande cronista Rubem Fonseca certa vez escreveu a frase acima. Numa época em que quase não havia mulheres na política, só homens. E não poderia ter dito melhor. Serve para os dias de hoje perfeitamente. Até porque na política sempre haverá muito mais homens do que mulheres. E afirmo-o sem nenhuma intenção machista. Muito pelo contrário. É que a mulher é mais sensível. E geralmente as pessoas sensíveis não gostam ou não se interessam por política.

Claro que a afirmação de Rubem Fonseca nada tem a ver com homossexualismo. É o namoro político mesmo. E como é semelhante a um namoro romântico...

É preciso conquistar o coração do amado. Dizer coisas lindas, fazer mil e uma promessas, quem sabe até se ajoelhar diante daquele a quem se destina os sentimentos... Nem sempre é preciso ser sincero. Sabemos que os namoros de hoje em grande parte não são sinceros. Há sempre segundas intenções. Claro que o pretendente deve cortejar o amado sem nenhuma vergonha. Pois deve obter dele seus favores. E também não vamos aqui exigir fidelidade. Na maior parte dos namoros não há fidelidade. Por isso é que um político um dia gosta de um e no outro, de outro. E depois volta ao um. E torna a voltar ao outro, enfim, é uma completa libertinagem. Políticos e namorados são iguais: uns inconstantes.

Obviamente, também não podemos exigir que cumpram suas promessas de namorados políticos. Qual é o namorado que cumpre todas suas promessas? Isso não existe. E devemos dar também a esses namorados homens o direito de ser contraditórios. De se dizer de esquerda e namorar com os da direita. E vice-versa. Afinal, há homens que preferem as morenas, mas namoram com loiras.

Mas o mais lindo em um namoro de políticos são os sussurros e cochichos ao pé do ouvido, com sorrisos tão meigos estampados nos rostos. Já notaram? Chega a ser comovente. E os abraços tão calorosos, os convites para jantares, os presentinhos mútuos, as mãos dadas para subir em palanques, as viagens por lindas paisagens... Como é belo...!

Claro que para o namoro dar certo, tem-se que acertar certas coisas. Ambos têm que ceder em alguns pontos, fazer concessões, aceitar certar exigências. O que um dará em troca do amor do outro? Um deve consolar o outro quando se perde uma eleição, deve dar opoio das bases, seja lá o que isso significar, deve ouvir suas queixas e saber o que o outro está sentindo no mais fundo de seu coração... e o mais importante de tudo: namorados não devem dar atenção ao que diz o povo. O povo é fofoqueiro.

Tudo em nome do amor!

8 comentários:

Denise Portes disse...

Nunca tinha olhado para eles por esse ângulo, infelizmente você está certo.
Beijo
Denise

Mai disse...

Interessante, não conhecia esta frase do Rubem Fonseca mas o teu texto é perfeito. Eu diria que é um desses namoros em que o único objetivo é levar o parceiro para a cama. Mas sem dúvida é um universo masculino onde acordos e conxavos estão sempre na pauta.muito bom!

abraços

Suelen Braga disse...

Nossa, simplismente adorei, eu nunca poderia pensar em relacionar o namoro de um casal com a política, rs

Seu texto foi perfeito..

Beijo grande =*

Descobrindo Um Novo Ser Lunático disse...

Nossa, senti sua revolta, e realmente tens toda razão...

Namoros sem vergonha nem pudor...

Adorei teu texto !

Beijos
Leticia Duns.

Sarah Slowaska disse...

Foi uma belíssima comparação. Concordo inteiramente.

Um beijinho e boa continuação de semana!

Elaine Barnes disse...

Muito bom!É um namoro onde tem pizza todos os dias e eles não enjoam. rs.. montão de bjs e abraços

Richard Mathenhauer disse...

Ah, você reescreveu a minha visão sobre política, e de ora avante não vou conseguir ver dois políticos senão como um casal, e dependendo da situação, vou dizer se estão nas nuvens ou no purgatório amoroso! Porque devo confessar: adoro saber da vida amorosa dos políticos! Fico na janela de cotovelos encravados no parapeito só pra ver uns casaizinhos deles passando...

Abraços,

Anônimo disse...

Cara.....que genio.... adorei o blog...parabens!!!