22 abril 2010

Sobre a Subjetividade na Arte: eliminável ou não?


Em uma comunidade de música erudita no orkut, mais precisamente a "Eu Acredito em Bach", surgiu um debate sobre se é possível julgar uma obra de arte eliminando-se a subjetividade do julgador. Alguns participantes afirmam que sim. Eu acredito que não. É uma questão bastante polêmica. Deixei minha opinião sobre o assunto na comunidade. Creio que seria interessante transcrevê-la aqui no blog, para que os amigos leitores também se posicionem. Abaixo, está a transcrição de minha postagem na comunidade. E você leitor, o que pensas?

"Com todo respeito, eu vou discordar de você quanto a ser possível eliminar o subjetivismo da análise artística. Não, a meu ver isso não é possível. Quanto ao puramente técnico pode ser, mas todos sabemos que a arte não é puramente técnica. Ele vai muito além disso. A arte não é algo racional, lógica, mental, muito pelo contrário, ela fala aos sentimentos, à alma. Logo, ela é subjetiva por natureza, a sua essência é subjetiva. Se fosse possível eliminar o subjetivismo, não haveria erros nas análises críticas. E quantos erros os críticos cometeram e cometem em todas as artes?

Quantos críticos julgaram que a música de Beethoven era exagerada, equivocada, sem futuro? E de Brahms? Não disseram que ele era um retrógrado? E não quiseram "corrigir" as sinfonias de Bruckner? Isso para ficar somente na música? Eu poderia citar vários exemplos de outras artes. Por quê? Porque quiseram julgar eliminando os subjetivismos. Mas a arte se expressa muito além de parâmetros técnicos, objetivos, positivos, exatos. Ela fala ao inconsciente coletivo que somente se pode entender a fundo subjetivamente. Algumas artes são mais subjetivas que outras, e alguns períodos artísticos valorizam mais a subjetividade. Mas ela sempre está presente. Bach mesmo foi considerado ultrapassado. Certamente, os que assim o julgaram tinham "parâmetros" racionais para tal afirmação. Porém, sua arte provou que ela tinha muita mais força interior para sobreviver ao tempo. Seu valor não era só técnico. Se assim fosse, haveria poucas diferenças entre Bach e Tellemann. Ambos possuem uma técnica perfeita.

Mas quem é mais genial? Bach ou Tellemann? Então, ao meu ver, isso é porque há mais alma na música de Bach, ele capta melhor o inconsciente coletivo que Tellemann, e isso não é mensurável. Há algo na arte que não é racionalizável, mensurável, nem mesmo plenamente definível. Por isso ela é arte e não ciência. Esse é o seu mistério. Ela também é técnica, mas vai muito além disso. Os concursos artísticos estão cheios de equívocos e de decisões contraditórias. Fernando Pessoa perdeu um concurso com sua genial obra "Mensagem" para um padre hoje absolutamente desconhecido. Porém, certamente, os julgadores do concurso estavam certos de que tinham parâmetros para julgar os textos.

Apenas mais um ponto. Na literatura, o barroco e o romantismo estão muito próximos, são considerados estilos similares, assim como, mais tarde, o simbolismo. Similares no sentido de que primam pelo subjetivismo, pela emoção colocada acima da razão, pela crença no sobrenatural (seja cristão ou não), pela ideia de que a arte deve ser colocada em um patamar de ligação do homem com o mistério, de que o artista tem uma missão divina, de que a arte liberta, eleva e está acima das regras da sociedade, pois vem da alma e do mistério do universo, logo seguiria outras regras. Tais características são plenamente românticas. E elas também não estão em Bach? Ao meu ver, estão."

5 comentários:

Richard Mathenhauer disse...

Reiffer,

Já estudei piano. E abandonei. Não conheço música,e frente a uma partitura, sou um analfabeto. Portanto, tudo o que diz respeito respeito à música não me chega por meio da análise (que só pode ser racional, lógica, técnica) e sim pelo que ela me desperta: se me arrebata, acalma, entusiasma...

Eu não leio um poema medindo suas sílabas...

Eu não ouço música notando seus compassos,percebendo seus deslizes, seja do compositor,seja do intérprete. Bom seria abarcar o todo. Mas não é assim.

Bach é o primeiro da minha Santíssima Trindade. Eu não o entendo, como não entendo a divindade. Apenas a experiencio.

Com admiração,

Gilson disse...

"Mas a arte se expressa muito além de parâmetros técnicos, objetivos, positivos, exatos. Ela fala ao inconsciente coletivo que somente se pode entender a fundo subjetivamente."

Perfeito seu comentário, não resisti em colocar esse parágrafo que transmite perfeitamente o que penso. A arte é vida, é alma.

Abs

Mai disse...

Meu pensamento se aproxima, em muito, do teu. A música e a arte nos leva a transcender e, nesta instância, não há explicação ou lógica plausível.
Muito bom!
abraços

Iana disse...

Meu caro...

Navegando encontrei um belo espaço no qual li e admirei...Parabéns!!!

Deixo aqui o perfume das flores e a beleza de cada pétalas de variadas cores...

Beijo de uma rosa amiga
Iana!!!

A. R. T. disse...

Como bom expressionista eu digo:

A subjetividade é o que a arte tem de mais fantástico.

Existe um Fausto de goethe pra cada leitura de cada leitor, um noturno de Chopin pra cada audição de cada ouvinte.