19 abril 2010

A Marcha da Morte (Parte Final)


Prossegui na minha mórbida e masoquista observação, e uma série macabra e absurda de metamorfoses foi se realizando, e todas aquelas faces, muito diferentes uma das outras, era eu mesmo, eu as compreendi como personificações diabólicas do horror que de forma ostensiva ou latente sobrevive e procria em minha adoentada psique... E assim é com todos os meus irmãos “humanos”, que provavelmente ignoram a maior parte de todo esse nosso conflitante e perverso lado negro, causa indubitável de todo sofrimento e destruição. E agora se constituíam em mim como nefastas densificações moleculares e ectoplasmáticas, obtendo poder de assumir minha aparência externa, embora eu não estivesse totalmente inconsciente, pois percebia e compreendia o ocorrido.

Não obstante, permanecessem as metamorfoses faciais, eu consegui manter-me relativamente calmo e, através da serena reflexão, questionava-me sobre o que seria a loucura, ou a psicose... E vi, como um relâmpago de intuição, que a esquizofrenia, por exemplo, era muito semelhante ao que eu passava, mas em um âmbito exclusivamente interno. Ou seja, eram aqueles seres demoníacos que, em um determinado instante, fortalecidos por diversas circunstâncias, alimentados pala energia anímica humana, obtêm o poder de dominar a mente do homem que parasitam, até que assumem a personalidade característica de algum ou de alguns diabos internos, e então dizemos: é um esquizofrênico!

No entanto, em um determinado momento, senti que as trágicas transformações pareciam ter finalmente cessado. Dirigi-me outra vez ao espelho e comprovei que, de fato, voltara ao meu estado normal, apresentando de novo minha face física comum. Todavia, era atormentado por vulcânicas oscilações e inquietações em meu espírito, algo que me impulsionava a abrir a porta da casa e, desvairadamente, entrar correndo no bosque que tinha seu início nos fundos do meu pátio.

Alguma coisa se movia, em termos energéticos ou espirituais, no meu universo interior, era uma força e uma vontade que se apresentavam como dotadas de consciência, isto é, como sendo um intuito legitimamente meu, uma revolta profunda e sincera contra a totalidade daquele exército de bestas que infestavam minha torturada psique. Eu me sentia volitivamente poderoso e desloquei-me sem destino por entre o denso e enigmático ambiente da floresta, carregado de dramáticos incensos noturnos, das espessas sombras do mistério sentencioso... de fluídicos vapores espectrais oriundos da Alma do Cosmos... que secretamente falavam-me à intuição exacerbada.

Foi nesse preciso instante, onde soavam mudos todos os sobrenaturais alarmes, que uma inefável melodia cantada por celestial voz feminina principiou a invadir toda a atmosfera do bosque... Era uma voz profundamente comovida, acompanhada por divina orquestra, cantando belíssimos poemas que eu nunca conhecera... A música e a poesia tomaram completamente todos meus pensamentos e sentimentos, em um inefável domínio sobre meu mundo psíquico, agora perfeitamente consciente e harmonioso, sem nenhuma espécie de conflito íntimo, que sei que adivinha de meu ser profundo, do âmago que não consigo conceituar.

Então, consecutivamente, senti uma espécie de estranho alívio orgânico-psíquico-espiritual, como se um terrível peso estivesse me abandonando. Olhei para trás e avistei um imenso rastro de um líquido negro e viscoso que, só então, verifiquei que manava dos meus poros epidérmicos. A negra viscosidade fluía copiosamente através de mim e, à medida que saía de meu corpo e espírito, percebi que aos poucos eu ia flutuando, ascendendo, à proporção que me sentia mais e mais leve, melífluo, alimentado sobre-humanamente pela indizível música e pela indefinível poesia...

E assim fui... já se extinguia o líquido, as últimas gotas asquerosas pingavam de minha pele, até que se estancou definitivamente, e eu mergulhei nas notas e nos versos daquela feminina voz angelical, mergulhei e me diluí, tornei-me uno e indissociável daquelas artes magníficas, eu era elas, elas constituíam meu ser, e desapareci, aniquilando minha existência na dissolução pelo mistério infinito.

(Na imagem, o quadro "São Jorge Lutando Contra o Dragão" de Raphael Sanzio)

7 comentários:

Vampira Dea disse...

Que descrição original! A morte assim épica e poética.

Matheus de Oliveira disse...

Cara, este conto é genial, excelente mesmo, de uma profundidade e de uma originalidade impressionantes. É uma análise do homem sombria e poética. Parabéns!

Ana Lucia Franco disse...

Reiffer, há quem lute a vida toda para não encarar seu lado sombrio e se engane das mais variadas formas. Dolorido, sim, mas existente no inconsciente coletivo. Veja que o encontro final foi o grande paradoxo, a luz possível depois da consciência da sombra. Como equilibrar essa contradição é o grande desafio. Teu conto é maravilhoso, tua escrita é forte, pungente e sincera. Encantada.

Sonhadora disse...

Meu amigo
gostei muito deste texto...um retrato profundo da condição humana.

beijinhos

Descobrindo Um Novo Ser Lunático disse...

Muito bom mesmo, acho que nunca saberia explicar tão bem o quanto você as psisoses humanas...

Embora citou ao início do conto um universo Dantesco e assim o imaginei, percebi desde o início algo que me lembrou muito Poe, simplesmente enigmático, inexplicável, senti tudo o quanto "passou" e tais sentidos apenas obtive quando li vários dos contos de Poe, senti-me na mesma amosfera...

Fantástico !

Leticia Duns.

Adriana Alba disse...

Reiffer, eres un excelente escritor.
Gracias por tu visita, vuelve cuando gustes.

Abrazos!!

Denise Portes disse...

Eu deixei um selo de presente no meu blog pra você. Ok, sei que essas coisas não tem muito haver com você, mas tudo bem, só um presente.Depois de ler esse conto maravilhoso não aguentei.
Beijos
Denise