04 março 2010

Poema Amargo



...nada
é o tudo que o Todo nos dá
quando a garganta é ao máximo erguida
e a esperança é ao extremo elevada

por mais que tua vida
esteja já arquitetada
verás como o sonho se torna caduco
e como a grave promessa da sorte
conta em deboche
sua sarcástica piada...

como a lua pela noite encarnada
a desilusão será sempre a amante
do sol frágil que te ilumina na estrada...

e terás, por fim, que fazeres uma sopa
com as letras já duras e secas
da felicidade
imagi...
nada...

5 comentários:

Milton Ribeiro disse...

Sigo gostando daqui...

Matheus de Oliveira disse...

Triste mas verdadeiro. É dificil aceitarmos ,mas é isso aí mesmo. Desnecessário dizer que é mais uma obra-de-arte de tua autoria...

Tatiane Lemos disse...

Nossa faz tempo que ñ vinha aqui contemplar essas tuas belas estrofes, bjs

Rúbida Rosa disse...

Realidade pura.
Difícil?

Helen Pinheiro disse...

Gostei!