26 fevereiro 2010

Falso Amor pela Terra, Tradicionalismo Vão e Mônica leal


O gaúcho, o brasileiro em geral, ama sua terra. Mentira! Ama coisa nenhuma! O que é amar a terra? O que é a terra? Como sou gaúcho, para não me estender em demasia, não vou falar aqui das terras amazônicas, das terras do cerrado, das terras do sertão, enfim, lugares esses onde a morte e a destruição sopram implacáveis há muito tempo, como demonstração sublime de todo amor que o brasileiro sente por sua terra. Vou falar da terra onde vivo, do pampa. Onde está o amor que os gaúchos tanto apregoam possuir por sua tão querida terra? Onde?!

Esses dias fui ao show do músico tradicionalista Leonel Gomes em uma fazenda no interior de Santiago. O show foi à noite, e durante o dia havia rodeio. Não vi o rodeio, apenas o show. Mas o que vi também foi um campo imundo, coberto de latas de cerveja, de garrafas plásticas, de papéis de picolé, de plásticos de todos os tipos, enfim, os senhores da tradição que dizem tanto amar a terra gaúcha, cobriram essa mesma terra de lixo. De lixo!

Isso é amar a terra? É transformar o pampa numa lixeira? Amar a terra é cobrir o campo de eucaliptos? É encharcar as lavouras de agrotóxicos? Amar a terra é entupir os rios de venenos, de esgotos, de detergentes? É assoreá-los devastando todas as matas que os protegem? Claro, rio não é terra, é água. Amar a terra é transformar campo em deserto de tanto explorar sem a mínima piedade? Amar a terra é massacrar os animais que nela vivem? É atropelar graxains, e tatus, e capivaras, e gambás e deixá-los estrebuchando pelas estradas? Amar a terra é varrer dela toda a vida?

E depois vêm com esses vãos tradicionalismos alardear que amam a terra gaúcha, que amam o pampa? Com raras e louváveis exceções, isso é uma mentira deslavada. Adoram andar ostentando suas pilchas, suas botas, seus lenços, suas bandeiras sobre o lombo de um pobre cavalo, mas por exibicionismo, não por amor. Adoram tomar seus tragos, fumar seu palheiros, dar seus gritos pelos campos, no mesmo campo que no outro dia irão pisar em cima, irão esmagá-lo, aniquilá-lo com toda a vacuidade e vergonha da ganância, da indiferença e da inconsciência.

Agora esses vãos tradicionalistas mataram cavalos em uma cavalgada imbecil para exibir o seu amor pela terra. Tudo isso é uma palhaçada. Uma cruel palhaçada que custou a vida de animais inocentes e indefesos, animais esses que deveriam ser amados pelo gaúcho, em sinal da infinita gratidão que deveríamos ter por eles. Os cavalos, que ajudaram a construir nossa história. E o verdadeiro gaúcho tem essa gratidão, sem dúvida, ama sua terra e os animais que nela vivem. E quem ama, cuida do que ama. O verdadeiro gaúcho não precisa andar pilchado para sê-lo. O autêntico gaúcho demonstra o seu "gauchismo" pela alma e pela consciência, não com exibicionismo barato. Ou melhor, caro, porque além de custar a vida de animais, custa o dinheiro do nosso bolso, que, como sempre, pagamos pelas palhaçadas deste governo vergonhoso que aí está.

Palhaçada sob os aplausos da Secretária de Cultura Mônica Leal. Uma incompetente, que só entrou para a secretaria porque era amiga da governadora. No embate entre Juremir Machado da Silva e Mônica Leal, fico com o primeiro. Ele tem toda razão. O que a Mônica fez pela real cultura em nosso estado? Eu até agora não vi nada. Só o que vejo nos reais campos culturais e artísticos são pesadas críticas ao trabalho (ou seria destrabalho?) da secretária.

A seguir transcrevo o trecho de um texto publicado no blog de Milton Ribeiro http://miltonribeiro.opsblog.org/2008/09/19/monica-leal-a-amiga-de-yeda-crusius/ :

“Mônica Leal foi colocada como Secretária de Cultura do Rio Grande do Sul por ser amiga de Yeda Crusius. Yeda afirmou que Mônica era alguém de sua confiança, uma amiga com quem tomava chá e chimarrão, enquanto Mônica replicava que estava encantada com o convite, apesar de não saber nada sobre política cultural, cultura, artistas, leis de incentivo, etc., mas que aprenderia, pois tinha boa vontade. Antes deste convite, Mônica Leal dizia “carregar a bandeira da Segurança Pública e a herança política de seu pai”. Nada mais próximo à cultura.


Em suas primeiras entrevistas, notei que Mônica tinha problemas maiores. Como dizê-los? Bem, parecia que a luz da inteligência não havia brilhado muito para ela, seus discursos eram vazios e, pior, sem o palavreado político habitual; ou seja, eram tolos. Uma vez, na abertura de um concerto da OSPA, o maestro Isaac Karabtchevsky, vendo que ela se perdia de forma constrangedora na frente de uma platéia que começava a rir, saiu em sua ajuda, aplicando os termos corretos: concerto, solistas, maestro, sinfonia, etc. A boa vontade de aprender cultura da secretária não estava à altura daqueles termos.

Mônica Leal é filha de um dos políticos mais truculentos e involuntariamente cômicos de nosso estado. Seu pai, Pedro Américo Leal, foi certamente o coronel mais entusiasmado com a ditadura militar. Era ele quem costumava ir aos jornais e TVs para, sempre aos gritos, afirmar que não havia tortura, que a ditadura realizava milagres em todos os campos e conclamava os comunistas a saírem de sob seus colchões. Ouvi-o muitíssimas vezes. Ele não aceitava apartes, era uma patrola.

Com a finalidade de defender a memória de papai, Mônica Leal já tentou retirar do Memorial do Rio Grande do Sul o Acervo da Luta Contra a Ditadura, desmembrando-o entre outras instituições. Ora, esta documentação — que ao que eu saiba nem está catalogada –, deve conter o nome de Pedro Américo Leal por todo lado.”

Essa é a nossa Secretária de Cultura... Vejam bem, meus amigos, de CULTURA! Sem mais.

17 comentários:

Lacru disse...

Hola ^^

Muchas gracias por visitas mi blog! también me uní a sus seguidores =)

Besos.

FROILAM DE OLIVEIRA disse...

Teu texto deveria ser publicado noutros meios de comunicação. Envia-o para Zero Hora (ou para outro jornal). Está excelente.

Anônimo disse...

Parabéns, até que enfim, alguém teve coragem de falar a respeito dessa mulher que a cada vez que vem em Santiago ficando todos babando e querendo tirar fotos com ela, pra mim ela ela uma caçadora de votos, só isso...

Anônimo disse...

"Teu texto deveria ser publicado noutros meios de comunicação. Envia-o para Zero Hora (ou para outro jornal). Está excelente." - 2

Anônimo disse...

"Teu texto deveria ser publicado noutros meios de comunicação. Envia-o para Zero Hora (ou para outro jornal). Está excelente." 3

Anônimo disse...

Falou tudo!!! Chega desses puxa sacos de um blog e outro lambendo as botas uns dos outros. Muitop bom.

"Teu texto deveria ser publicado noutros meios de comunicação. Envia-o para Zero Hora (ou para outro jornal). Está excelente." - 4

A. Reiffer disse...

Agradeço! É, acho que vou enviar.

Milton Ribeiro disse...

Gostei muito deste espaço e já estou me sentindo em casa. Os poemas são muito bons e o post sobre Francesca da Rimini me deixou muito feliz.

Acho que vale a pena mandar para ZH, mas não acredito em sua publicação. ZH é Yeda. Casualmente, hoje ocorreu a primeira crítica -- elegante, sem nomes, apenas para bons entendedores -- à Mônica da Incultura. Leia a coluna de Claudia Laitano de hoje (sábado, 27/02).

No mais, parabéns pelo blog. Acabo de cadastrá-lo no Google Reader e vou acompanhar.

Grande abraço.

Anônimo disse...

Meu amigo te envio esse artigo pra corroborar e colaborar com o teu texto sobre a secretária. Nenhum blogueiro de Santiago noticiou isso. Certamente, pelo temor de a secretária não querer "tirar retrato" pra postarem em seus gosmentos blogues. Lê aí:

http://wp.clicrbs.com.br/pedepagina/2010/02/26/o-afastamento-de-voltaire-schilling-do-memorial-do-rs/?topo=77,1,1

P.S. : foi publicado no Clicrbs...

Abração!!

Anônimo disse...

Isso mesmo! Ao mesmo tempo que ninguem comentou nada sobre a data de falecimento de Caio F. Abreu ocorrido semana passada. Nenhum destes blogs demagógicos e puxa sacos comentou sobre seu texto. Como falaram acima, ficaram com receio de que a tal secretaria parasse de tomar café e tirar fotos com eles.

Muito bem escrito

Anônimo disse...

Ahhh, e também participar de chá de fraldas com direito a presente do Shopping Iguatemi...Que palhaçada...Em Santiago tem muito blogueiro que gosta de dar "moral de cuecas"...

Anônimo disse...

É... e o que aguardam os gosmentos blogueiros bajuladores depois da eleição?? Será que a secretária vai querer vir aqui toda a semana pra participar de suas festinhas, batizados, churrascos, cafés da tarde, roda de carpeta, aniversário de cachorro, chá de bonecas, etc, etc, etc??
Será que são tão ingênuos e idiotas que não enxergam o palanque eleitoral que proporcionam a ela (ter êxito no pleito são outros quinhentos). É muita babação! Creio que ela tem mais "amigos" em Santiago do que no orktu dela!! rssssss
Todos são amigos íntimos, envolvidos com "cultura" (mesmo que de verniz) e com o que chamam de "jornalismo"!!
Terra dos Poetas??
Acho que é Terra dos "babados"!!!

A. R. T. disse...

"l" minúsculo justo.

Na Zero Hora foi publicada, como último recurso, até uma carta roma^ntica de Yeda versando sobre coisas da vida. Fora supostamente enviada pro Paulo Santana, e o mesmo publicou justo em época de grandes protestos contra o governo onde muitos lutavam pela renúncia dela.

Eu esqueceria a ZH neste sentido, eles nos moldam como bonecos de argila.

Mais fa´cil é conseguir mostrar tuas idéias ao povo com teus poemas. Em breve eles serao mais poderosos que qualquer pedaço de papel ou qualquer posiçao arrogante e prepotente atras da mesa de secretario de qualquer próximo governante eleito por milhões de sinceros enganados. E irao além do sempre.

Anônimo disse...

Olhem!! Começou a enxurrada de "retratos" do almoço com a secretária e de eventuais flashs inconvenientes!!
hahahahahahahah
Patético!!

Anônimo disse...

Ninguém merece tanta babaquice desses ditos blogueiros de Santiago, eu não acredito em politicos, por várias razões, e essa secretaria usou o cargo como trampolim para "tentar " chegar na assembléia legislativa...Como estou vacinada(o) com surpresas, essa não me engana..

Anônimo disse...

Tá lá no blogue da secretária... nenhuma referência a sua estada palanqueira em Santiago do Boqueirão!
Só os gosmentos blogueiros que a festejam! Ai, ai... Ninguém mais nesse Estado!!
Abram o olho!!!!

Anônimo disse...

É verdade, e a Secretária nem se referiu aos babacas gosmentos, ao contrário deles que anunciaram aos quatro ventos a visita dela, com direito a almoço e fotos, como de praxe....Gostaria de saber o que eles ganham com isso, bando de puxa-sacos...