29 janeiro 2010

Fernando Pessoa e seus Passos da Cruz V


Continuo postando os sonetos de Passos da Cruz de Fernando Pessoa, conforme explicado na seguinte postagem: http://artedofim.blogspot.com/2009/12/fernando-pessoa-o-predestinado-passos.html . Na próxima semana, o 6º passo. Na imagem que acompanha o poema, o quadro "A Morte de Ofélia" de Millais.


Passos da Cruz - Soneto V

Tênue, roçando sedas pelas horas,
Teu vulto ciciante passa e esquece,
E dia a dia adias para prece
O rito cujo ritmo só decoras...

Um mar longínquo e próximo umedece
Teus lábios onde, mais que em ti, descoras...
E, alada, leve, sobre a dor que choras,
Sem querer saber de ti a tarde desce...

Erra no anteluar a voz dos tanques...
Na quinta imensa gorgolejam águas,
Na treva vaga ao meu ter dor estanques...

Meu império é das horas desiguais
E dei meu gesto lasso a algas mágoas
Que há para além de sermos outonais...

3 comentários:

.Leonardo B. disse...

[pretendo seguir os passos e reuni-los, aqui, neste lugar onde Pessoa gostaria de ressuscitar na palavra]

um imenso abraço

Leonardo B.

T I N I N disse...

Nossa ...
Estou impressionada com a sensibilidade que emana daqui, deste seu espaço.
Parabéns!
Gostei de verdade!
Imagens e palavras lindas!
Beijo
T I N I N

Renata de Aragão Lopes disse...

Grata pela leitura!

Um abraço,
doce de lira