23 novembro 2009

Que eu sei muito bem...

enquanto falas falas
com teu sorriso mentido
ao cair lento
invisível da treva
no escuro
ao silêncio do verbo em trovão
melhor te conheço

que eu sei muito bem...
eu sou aquilo que vem...

então achaste mesmo
que o tenso do raio primeiro
fosse o encerrar da tormenta?
secreto medo nos olhos te leio...
a Tempestade ainda nem veio...

quer dizer que pensaste
que o intenso da tormenta inicial
fosse o findar do tufão?
há um aviso no teu lábio ao meio...
o Furacão ainda nem veio...

então tiveste certeza
que o denso do horror que desaba
fosse todo o horror já no fim?
tu sabes que em ti eu não creio...
o Horror ainda nem veio...

que eu sei muito bem...
eu sou aquilo que vem...

3 comentários:

Maura T. N. O. disse...

Olá, ótimo teu blog também!
Muito belos teus escritos!
Parabéns.

Metáfora do Tempo disse...

Um poema impactante, forte, profundo!

Micheli Pissollatto disse...

Um tanto assombroso. Lindo!