04 outubro 2009

Crianças Cada Vez Menos Inteligentes


Algumas pessoas, e creio que a maioria delas, afirmam que as crianças dos dias de hoje estão cada vez mais inteligentes. Eu afirmo exatamente o contrário. E sustentarei minha posição.

A princípio, deve-se conceituar muito bem o que é ser inteligente. Ser inteligente é o mesmo que ser esperto? Ou inteligência é apenas raciocínio lógico? Claro que a “esperteza” é um tipo de inteligência. A inteligência lógica é outro, dentre muitos que devem ser considerados como um todo para que se conclua se uma pessoa é mais ou menos inteligente que outra, em termos gerais. Ou, como no caso em questão, se as crianças atuais são menos ou mais inteligentes que as de outros tempos. E nesse “todo”, concluo que são menos.

As pessoas possuem a tendência de classificar somente a inteligência racional como sendo a inteligência válida. Se assim fosse, a humanidade jamais destruiria o próprio planeta, a própria casa em que vive. Nada mais imbecil do que destruir a própria casa. A humanidade possui muito raciocínio lógico, e toda a nossa tecnologia é a maior prova disso. Porém, faltam-lhe as outras inteligências.

E faltam cada vez mais nas crianças de nosso tempo. Falta a inteligência emocional. A inteligência artística. A inteligência intuitiva. A inteligência da sensibilidade. Falta uma inteligência que torne as crianças mais sensíveis, mais conscientes de sua posição no mundo. Falta uma inteligência que faça as crianças perceberem que estão inseridas na humanidade, que possuem responsabilidade para com o planeta e para com seus semelhantes. Um inteligência holística, que perceba o todo, as interações entre todas as coisas existentes, sejam vivas ou inanimadas. Uma inteligência que se dê conta dos laços que nos unem com os cosmos, da consciência de nosso papel dentro do universo.

As crianças de hoje são muito “espertinhas”, raciocinativas, entendem de computadores, de máquinas, de tecnologias, das coisas práticas da vida, mas nada sabem sobre a vida em si. Nada sabem sobre seu papel no mundo. E não conseguem nem pensar sobre isso. Muito menos sentir. Parece que atrofiaram grande parte de suas inteligências. Não conseguem se sensibilizar com nada. Não falo de sentimentalismos, mas de uma sensibilidade consciente, madura, uma capacidade de captar as grandes questões do mundo, da humanidade, do universo. E de se posicionar dentro delas. As crianças de hoje não fazem mais isso. Não estão nem aí para nada. Isso é ser inteligente?

Antigamente faziam. As crianças medievais faziam. Eram conscientes de sua posição no mundo. Amavam a natureza. Compreendiam que faziam parte dela e que deveriam conviver com os animais e plantas de forma harmônica. Isso, para mim, é ser inteligente. Não é saber mexer em computadores.

As crianças de hoje são incapazes de desenvolver e de criar grandes pensamentos e sentimentos. Mal sabem escrever um texto. Não têm ideias, não têm imaginação. Os grandes gênios da arte e da filosofia jamais se repetirão nos dias de hoje. Nem mesmo os da ciência. Porque hoje a “inteligência” da humanidade está voltada para o prazer, para a aparência, para o lucro, para o hedonismo, para o egoísmo. E isso, para mim, não é ser inteligente.

Que me perdoem os otimistas, mas o que vejo é uma degradante involução em nossas crianças. Que o digam os professores. Eles sim conhecem como as crianças regrediram. Ou alguém chamará de inteligente o aluno que dá um soco no rosto de um professor, ou o ameaça com uma faca? Por isso aplaudo imensamente a corajosa professora que obrigou aquele “inteligente” aluninho, que acabou com uma parede muito bem pintada com suas pichações imbecis, a pintá-la novamente. O pessoal do conselho tutelar achou a decisão da professora exagerada, É claro, eles não dão aulas. Quando entrarem em uma escola de ensino básico e ministrarem algumas aulas, irão mudar de opinião. Aliás, deveriam fazer isso. Até porque, o conselho tutelar vem agindo com uma imensa imbecilidade. Está servindo para permitir a libertinagem em crianças e adolescentes nas escolas e impedir qualquer tipo de corretivo.
A verdade é que as crianças e adolescentes de hoje são estúpidas, violentas, insensíveis, desrespeitosas, egoístas, sem nenhum tipo de consciência de absolutamente nada, sem criticidade sobre qualquer assunto, sem opiniões, sem cultura, com ridículos e vergonhosos gostos artísticos, sem noção de humanidade, sem valores, sem sentidos para a vida, enfim, sem nada. Não passam de seres vazios. Muuuito inteligentes... Claro que há exceções. Mas a humanidade não é formada por exceções.

4 comentários:

Marcus Vinícius Manzoni disse...

Perdoe-me se acordei meio "faca na bota" hoje. Mas discordo das últimas linhas do texto, onde fala sobre conselho tutelar e onde se põe a culpa neste.

Fora isso, concordo com todo o resto do texto. Maravilhoso!

Gilvânia C. Duarte disse...

As crianças de hoje em dia estão sendo fortemente influenciadas por videogames, programas de televisão, revistas, e acabam de certa forma "amadurecendo" (não diria amadurecendo e sim ficando "adultas" cada vez mais cedo) e acabam pulando uma fase importante e crucial na nossas vidas, que é a infancia, talvez seja por isto que elas estejam tão "espertinha" e não inteligentes.

Karin disse...

Obrigada pela tua lucidez.

Pela coragem de dizer a triste verdade.

Qdo vejo estes desenhos animados como a Era do Gelo I, cheio de citações socioculturais, sempre me pergunto pra que o desperdício, pois não conheço nenhuma criança ou adolescente capaz de percebê-las.

Pessimismo? Infelizmente não. Convivência escolar com os "espertinhos" de hj...

Envia teu texto pra um jornal, pq ele precisa ser lido e relido, quem sabe mais alguém por ai acorda?!

Um abç!

Micheli Pissollatto disse...

Trabalho em uma loja onde a maioria do público é infanto-juvenil, passo por cada situação! E, depois de ler o teu texto, acrescento que infelizmente essa falta de inteligência é passada de pais pra filhos.
"Claro que há exceções. Mas a humanidade não é formada por exceções." Disse tudo!