16 agosto 2009

O Triunfo dos Abutres (Parte Final)

Tais abutres surgiam sempre de um ponto definido do céu, como se esse ponto constituísse uma passagem invisível a outra dimensão ignota do universo. E após pousarem, principiavam a emitir grunhidos e grasnados em uníssono, como uma hórrida orquestra canhestramente compassada. Tal som deprimente principiava de forma lenta e quase inaudível, progredindo para um crescendo de rapidez verdadeiramente ensurdecedora, capaz de enlouquecer qualquer ser humano que o ouvisse por um longo período de tempo.

Em determinados momentos, vários daqueles urubus, ou abutres, revoavam e partiam silenciosos em direção a outro ponto do céu congestionado. Tal ponto aparentava ser diametralmente oposto ao que me referi anteriormente. Do primeiro ponto, surgiam os abutres. No segundo, eles desapareciam. E enquanto algumas daquelas aves das sombras submergiam naquele local invisível do céu, mergulhando em um mistério absurdo, outros assomavam desse mesmo mistério e pousavam barulhentos nos galhos das árvores para dar continuidade à infernal sinfonia. E esse fluxo de abutres era irritantemente incessante.

De modo que eu já não estava suportando aquela gritaria funesta e canhestramente ritmada, que intensificou meu tormento a níveis intoleráveis. Mesmo em meio àquele absurdo, eu mal conseguia intentar obter alguma explicação ao horror. De onde provinham a para onde iriam aqueles titânicos urubus? Como poderiam surgir do invisível e submergir no invisível?

Minha perturbação interior crescia cada vez mais. Senti que minha cabeça explodiria a qualquer momento, que arrebentariam as fibras de meu coração, sob a tensão sobre-humana de tamanha tortura psicológica. Tudo em meu interior fervilhava. Parecia que algo lutava, debatia-se para emergir de minha alma, de meu ser mais profundo.

Quando já não resistia àquele martírio e decidi partir daquele vale ominoso, um enorme e assustador abutre pousou a minha frente. Dirigiu seu olhar penetrante e ameaçadoramente aguçado aos meus olhos, e eu estaquei como que petrificado.

Sendo dardejado pelo olhar vermelho e sanguinolento daquele abutre, senti minha alma ferver. E algo de terrível aqueles impiedosos olhos me irradiavam. Diziam-me que todos aqueles urubus gigantescos, todos aqueles abutres com sua massacrante sinfonia consistiam em monstruosas personificações de todas as esperanças e sonhos da humanidade que morreram e morrem em todos os corações humanos.

E de meu peito em combustão, senti que um hercúleo abutre de proporções extremas e descomunais ganhava forma, ganhava asas. E em um devastador adejo de suas asas sem limites, dirigiu seu voo ciclônico rumo àquele ponto invisível na atmosfera carregada de nuvens negras... E unido a toda a infinidade dos outros urubus e abutres, teria então, da humanidade, a sua vingança...

3 comentários:

Shadow disse...

Adorei... Deixei-lhe um selo no meu blog!!!!

♠J. کchmid♠ disse...

Adorei seu conto muito bom, vou começar a acompanhar seu blog para ver melhor suas histórias parabéns e até mais .
Blog Man in the Box

Aмbзr Girℓ ⅞ disse...

furioso

letal

Blog Suicide Virgin