01 agosto 2009

As Almas do Fantástico na História do RS - Conto 1º: O Horror no Campo


(O conto “O Horror no Campo” faz parte de uma série de 7 contos que estou compondo abordando o fantástico na história gaúcha, inspirados em fatos reais, mas desenvolvidos de forma fictícia. Este foi o 1º que compus da série. Foi publicado apenas em meu zine, ainda no ano passado, mas ainda não aqui no blog. Após esse, concluí mais 4 contos, e estou no processo inicial do que será o nº6. Embora estejam relacionados, os contos são independentes entre si.)



No ano de 1631, padres jesuítas e colonizadores a serviço da Espanha, com o auxílio de índios catequizados, fundaram uma pequena colônia no interior do RS. A povoação progrediu através dos anos, chegando a possuir alguns milhares de habitantes. No entanto, conforme a colônia crescia em aparente tranquilidade, uma sombra funesta e silenciosa foi fatalmente sendo despertada nos vastos campos e matas densos de mistério que dominavam a região. Havia algo naquele local estranho que não era nem um pouco amistoso à presença daqueles habitantes estrangeiros. Uma oculta e ominosa força natural não podia aceitar os espanhóis e nem mesmos os índios que já não eram fiéis à sua origem, pois haviam se tornado cristãos...

Em alguns momentos da história humana e em determinados lugares enigmáticos de nosso planeta, a natureza revolta-se contra a existência dos homens... Foi o que ocorreu na 3ª década do século XVII em um pequeno local do então quase deserto pampa gaúcho. Aos poucos, os ventos, as águas, as terras, as plantas, os animais, todos foram lenta e furtivamente conspirando contra os padres, colonizadores e indígenas, sem que a princípio algo fosse claramente percebido.

Tudo teve seu início com a formação de uma estranha e violenta tempestade. No mês de abril de 1636, uma reviravolta assustadora no tempo devido à chegada de uma intensíssima frente fria com ventos absurdamente gelados para a época, ocasionou uma tormenta sem precedentes ao chocar-se com o ar quente que até então permanecia sobre o pampa. De uma hora para outra, gélidas rajadas de vento, uma chuva torrencial mesclada a granizo e um verdadeiro bombardeio de raios passaram a assolar a pequena povoação ainda pouco protegida.

A tempestade durou poucos minutos, porém seus efeitos foram de total destruição. As construções já concluídas ou que ainda estavam sendo erigidas foram quase que completamente arrasadas, seja pelas violentas lufadas de vento ou pela pavorosa queda de raios. Plantações inteiras deixaram de existir, anos de trabalho pesado desfizeram-se em minutos. No entanto, apesar da morte de alguns cavalos, não houve vítimas fatais entre os humanos, e logo após a tempestade acalmar-se, os povoadores reiniciaram suas atividades em busca da reconstrução.

Contudo, após a chegada da anômala tormenta, aquela região não voltaria a ser a mesma. Os dias sucediam-se se mantendo invariavelmente nublados, sombrios e intensamente frios. Neblinas e garoas eram muito freqüentes e, aliadas ao frio, aos poucos foram minando os nervos dos colonizadores. O gélido vento Minuano não dava trégua, e logo uma epidemia de uma poderosa gripe alastrou-se entre os colonizadores e indígenas, causando inclusive vítimas fatais entre estes últimos. A população principiou a reduzir-se. Os padres oravam e fitavam os céus soturnos na triste esperança de que a graça divina estabelecesse um fim àquele clima doentio, contudo foi inútil. As semanas passavam agourentas e sem o menor vestígio de sol.

Com as plantações destruídas, a fome passou a assolar os habitantes, principalmente após a estranha e desconhecida peste que dizimou o gado e os cavalos criados pelos espanhóis. Não restou alternativa, a não ser partir para a caça. No entanto, mesmo com toda a experiência dos índios e sabendo-se que a caça na região era abundante, não se conseguia abater nenhum animal realmente útil para a alimentação. Os caçadores avistavam veados, capivaras, emas, tatus, lagartos, jacus, pacas, porém de forma absolutamente inexplicável, não conseguiam abatê-los, salvo algumas aves de pouca carne. E repetia-se o mesmo insucesso na pesca. Os rios transbordantes de águas pareciam estar vazios de peixes. E se os caçadores não encontravam a caça, as serpentes encontravam os caçadores. Nunca houve na povoação tantos casos de picadas de cobras, na maioria fatais. Ocorreu ainda um caso da morte de um padre atacado por um imenso felino durante a noite, e um espanhol teve sua mão extirpada por um animal da mesma espécie. O homem acabou morrendo de gangrena dias depois.

E através daqueles dias de frio hediondo e deprimente escuridão funerária, as forças naturais foram dizimando a população de colonizadores e indígenas. E foram estes que perceberam que havia algo de errado com a natureza, que existia uma ameaça terrível e impalpável pairando nos ares daquela região. Intentaram então retornar às suas antigas crenças, às orações aos seus deuses telúricos, porém já era tarde demais, e o que quer que fosse de oculto que ali exterminava os humanos era definitivamente implacável.

As causas das mortes eram as mais variadas, todas oriundas de “acidentes” naturais ou doenças. As vitimas ou eram levadas pelas águas e morriam afogadas, ou eram atingidas por raios, ou picadas por serpentes, ou ingeriam plantas venenosas, ou morriam nas garras das feras, da fome ou do frio. Alguns ainda eram vítimas de doenças desconhecidas, ou então enlouqueciam e num ataque de demência tentavam assassinar seus companheiros, mas acabavam por eles sendo mortos.

Passaram-se cerca de 6 meses. A população inicial contabilizava mais de 4000 indivíduos, na maioria homens, mas também havia mulheres e crianças, principalmente entre os indígenas, das quais a quase totalidade já falecera. E nesses 6 meses de horror, em que o quadro funesto do clima permanecia inalterado, mais de 75% da população fora exterminada. Então os menos de 1000 sobreviventes tomaram a decisão de retirar-se daquele local amaldiçoado. Seria uma marcha difícil e penosa pela desolação daquele pampa sombrio e hostil, porém não havia outra saída.

Mas... no exato dia em que a população estava preparada para a partida, surgiu o primeiro caso de uma peste absolutamente mortífera e brutal. Os índios afirmavam que a enfermidade viera com os ares insalubres daquele tempo maldito e que consistia na arma derradeira da natureza para a aniquilação dos povoadores. Os sintomas da peste eram assombrosamente horríveis. A vitima inicialmente sofria terríveis dores de cabeça e nos olhos, além de violentas crises de febre, vômito e diarréia. Então, em questão de poucas horas, surgiam por todo corpo feridas e chagas abomináveis, imensas e repugnantes de infecção, donde vertia um líquido amarelado, viscoso e purulento, exalando um cheiro fétido e nauseabundo. A morte advinha em 3 dias.

Os casos surgiam às dezenas; mesmo assim os espanhóis e índios decidiram partir no dia seguinte aos primeiros casos. Conseqüentemente, sua marcha tornou-se uma verdadeira marcha fúnebre. Conforme avançavam pelos campos gelados, úmidos e nevoentos, deixavam um rastro de cadáveres aberradores. A peste não poupou ninguém, e após algumas dezenas de quilômetros percorridos através do horror, estavam todos mortos, apodrecendo sobre as vastas pradarias gaúchas. Porém, houve um sobrevivente. O padre Pablo Gonzalez foi o único a não contrair a enfermidade. Foi encontrado por uma tribo de índios nativos que passava pelo local e levado a uma outra redução jesuítica.

O religioso, então, retornou à Espanha e lá relatou toda a catástrofe que vivenciara. Ninguém acreditou. Preferiu-se crer que os espanhóis e os índios catequizados foram assassinados por alguma tribo indígena de guerreiros selvagens, e que o padre Gonzalez, em sua imensa piedade, optou por esconder o fato a fim de poupar a tribo de uma possível vingança espanhola, pois espanhóis e portugueses exterminavam as tribos que resistiam à catequização. Vale lembrar que quando o padre fora resgatado pelos índios, o tempo sombrio já havia passado. O dia estava ensolarado, agradável e de uma beleza radiante. Muitas décadas depois, o local da tragédia foi povoado com sucesso pelos portugueses, que, aliás, nada souberam sobre ela.

Mas... afinal, por que a natureza rebelou-se contra os espanhóis e indígenas naquela ocasião, sendo que o mesmo não ocorreu em outros casos de povoações similares? Não se sabe. O que se sabe é que, às vezes, as ocultas e insondáveis forças naturais decidem varrer os representantes humanos de determinado local. E, talvez, em breve chegue o dia em que essas mesmas forças decidam varrer toda a humanidade de todo o planeta...

Um comentário:

Aмbзr Girℓ ⅞ disse...

sim, pensamos as vezes que ocorrências como pragas e outras mortes por causa de fenômenos como tsunami são fatos passados. os últimos anos provam que esse pensamento é mais que um engano.

Blog Suicide Virgin