17 julho 2009

A Criatura que Não Deveria Existir

Foi naquela noite de lua cheia que a vi. E desde então a criatura nunca mais saiu de minha vida. Eu sabia que aquela noite seria anormal, senti-o naturalmente logo aos meus primeiros passos pelo início da fria madrugada. Havia algo de estranho, de anômalo pairando nos ares, algo indefinível... Um aroma não identificável se alastrava com a brisa gelada que provinha do sul. Eu caminhava rápido para aquecer o corpo em uma rua pouco iluminada, quando escutei o som de passos lentos em um pátio. Detive-me para identificar de onde advinha o som e voltei minha atenção para uma tranqüila residência ao meu lado. Era ali que estava a criatura.

Ela se aproximou um pouco de mim e olhou-me de forma assustadoramente fixa. Mirou o fundo de meus olhos, como se pretendesse decifrá-los, decifrar minha alma através deles, e creio que deve ter conseguido. E eu ali permaneci, hipnotizado, extático, insano, contemplando como um lunático aquela criatura absurda que não deveria existir...

Então ela baixou a cabeça e dirigiu-se para os fundos da casa. Por alguns instantes eu ali fiquei, absorto nas terríveis sensações causadas pela visão daquele ser. Não sabia o que pensar. Não cheguei à conclusão alguma. Então retornei para minha casa, perdera todo o ânimo para prosseguir na caminhada. Aquela criatura não deixava minha mente nem por um segundo, a impressão que me causou foi imperecível, intensíssima, absolutamente devastadora. Foi como um furacão que arrasasse uma ilha desprotegida. A imagem inacreditável do ser que vislumbrei iria me perseguir por todos os meus dias, estava quase certo.

E naquela noite não consegui dormir. Passei-a em claro, e ao levantar da cama exausto de tanto pensar na criatura, tentei ir ao trabalho, e também me foi impossível. Decidi voltar a caminhar pelas ruas, profundamente abalado. Seria até mesmo possível que encontrasse novamente a criatura, não havia como excluir esse sombrio pensamento. Não a encontrei, no entanto. E finalmente o sono principiou a cair sobre meu organismo exaurido. Retornei a minha casa e atirei-me quase morto na cama; já havia anoitecido.

Dormi, porém não encontrei alívio a minha profunda perturbação. Tive sonhos e pesadelos insanos, verdadeiramente transtornados. É claro que em todos eles estava presente a criatura absurda, aquele olhar terrível, sempre escrutando a integridade de meu espírito. Naqueles estados oníricos, perambulei pelos mais estranhos lugares, por desconhecidas regiões de assombro, por locais tão estranhos e insólitos como a própria visão que tive, como aquele próprio ser de existência não admissível.

O que vi em meus sonhos e pesadelos situam-se muito além da compreensão humana. Eu mesmo não os compreendi, apenas os senti com uma intensidade psíquica arrebatadora, não sei se doentia ou salutar. O fato é que acordei ainda mais perturbado do que quando fora dormir. Levantei por volta do meio-dia e mal consegui almoçar. Após tomar banho, senti-me um pouco melhor e decidi novamente realizar uma caminhada pelas ruas ensolaradas e de temperatura agradável. Talvez conseguisse afastar de meus pensamentos e emoções a lembrança massacrante daquela criatura.

Andando sem destino e cantarolando melodias de Brahms para reconfortar minha alma, parecia que havia logrado esquecer minha visão sentenciosa. Mero engano. Definitivamente, a lembrança da criatura inaceitável vinha ao meu ser com uma fúria apocalíptica despertada pela própria luz do sol, pela própria melancolia da música de Brahms. A criatura era uma maldição, e eu, sua vítima. Compreendi naquele instante que não haveria saída para minha alma. Ela havia se tornada possuidora de meu espírito. Eu estava perdido, e uma força invencível ordenava-me a buscá-la por todos os meus dias.

E eles foram passando de forma fatídica, porém, após aceitar minha maldição, fui gradativamente equilibrando-me psiquicamente, tentando manter uma existência normal. No entanto, ainda que eu retornasse a minhas tarefas rotineiras, jamais poderia viver normalmente como antes. A todo instante a lembrança da criatura invadia-me como uma tempestade, e somente a arte aliviava-me de tão terrível força. Eu via seus olhos abrasadores em todos os lugares. Sua face absurda perseguia-me por todas as horas, como que me ordenando a buscá-la de forma irresistível, demente e inexplicável.

A questão era onde encontrá-la, como encontrá-la e por que deveria fazê-lo, mesmo sabendo o sofrimento insuportável que seria mirar naqueles olhos catastróficos. Passaram-se meses desde o dia em que a vi, e é claro que durante todo esse período eu procurei a criatura exaustivamente, rondei a residência onde a havia visto como um tigre ronda sua presa. Porém, eu era a presa. A vítima forçada a procurar pelo seu próprio martírio...

Pois eu procurei a criatura como um louco e jamais voltei a vê-la. Mesmo pensando que era impossível vê-la outra vez, que tudo poderia consistir em tão somente uma medonha alucinação, a força magnética da maldição real ou imaginária caída sobre mim era definitivamente insuperável. Em minha mente, em minha alma vivia apenas uma lei: buscar a criatura, por mais hediondo e torturante que isso fosse para mim.

E como isso era perturbador, como eu atravessava meus dias em constante tormento, meu sofrimento tornava-se intolerável dia após dia. Nenhum outro ser humano poderá ter ideia do que é viver de instante a instante com a imagem daquela criatura sempre presente de forma funesta em meu espírito, que não encontrava descanso. E pior do que isso: presença que me dominava e outorgava-me imperativamente a buscá-la, mesmo que isso fosse contra a minha real vontade...

Ou será que era minha real vontade? E se a minha vontade fosse a de encontrá-la infatigavelmente, porém de uma forma inconsciente, que para mim se mascarava através de uma suposta ordem advinda de um ser sobrenatural? Não sei, não posso responder, talvez jamais consiga... O fato é que a vi pela segunda vez...

Era uma noite como a primeira, a mesma lua luminosa e imensa, o mesmo clima denso e estranho. Eu passava pelo mesmo local, sentindo no rosto a mesma brisa fria... e lá estava a absurda criatura, exatamente à mesma hora da vez anterior... Detive-me atônito e enlouquecido diante daqueles inimagináveis olhos que me dominavam invencivelmente. Nem saberia agora descrever o que senti naquele instante. Apenas digo que a totalidade de meu ser quase foi consumida ao suportar por uma segunda vez aquela extrema visão. E então, como antes, a criatura que não deveria existir baixou sua inacreditável cabeça e dirigiu-se lentamente aos fundos da casa.

Eu a havia visto pela segunda vez... Como o mundo não acabou após isso. Como não morri? O que seria de minha existência a partir daquele momento? Eu jamais poderia imaginar que houvesse neste planeta uma visão tão terrível e avassaladora... Mas... creio que chegou o instante de eu tentar revelar o que, afinal, era essa visão. Sem dúvida, é uma visão verdadeiramente terrível! Porém, o terrível pode ser o supremo horror ou a suprema beleza. No caso da criatura absurda, não, não era a suprema beleza. Era mais, muito mais do que isso, talvez nem mesmo se possa aplicar àquele ser a palavra bela, ou sublime, ou celestial, ou qualquer outra palavra de qualquer língua. Todas serão sempre infinitamente inferiores, incapazes, impotentes. Talvez somente os anjos a saibam defini-la...

Eu vi uma mulher absolutamente divina? Uma deusa no sentido mais puro e pleno da palavra? Ou foi exatamente o contrário? O que contemplei foi um ser feminino incomensuravelmente infernal, tão demoníaco a ponto de desvelar ante meus miseráveis olhos mortais tão impiedosa beleza? Certa vez, li, não lembro em que amaldiçoado livro, que quando algumas criaturas de beleza absurda aparecem na terra, algo de extremamente trágico está na iminência de acontecer com a humanidade...

Aquela criatura não deveria existir, e se existe, jamais deveria ter se apresentado diante de mim... Por que eu? Como posso suportar tamanho tormento? Como, por um só instante, deixar de acatar qualquer ordem que ela incuta em minha alma de alguma forma desconhecida e subliminar? Como deixar de buscá-la? O que será de minha vida após essa 2ª visão? Só sei que prosseguirei com minha busca alucinada. Porém, quando eu a ver pela 3ª vez, e eu a verei, estou certo disso, quando eu a ver pela 3ª vez, não será somente uma visão... Vou preparar-me e tomarei uma outra atitude... uma outra suprema atitude.

2 comentários:

L.L disse...

suspense...
criatura q não deveria existir....
talvez não deva mesmo.
já recebi´seus zines e estão magni´ficos!
Kleber, que estuda na mesma faculdade q eu,tb!
Vc tem mitos contos bons aqui!
Um beijo na alma.





PS:gostaria q me escrevesse algo, mesmo q fosse trivial.


ps2: ASSIM PODERIA RESPONDER.

Shadow disse...

Não deixa de ser uma metáfora para a vida... Uma busca incansavel para atingir alguma coisa que sabemos querer mas não conseguimos definir... Fico à espera do final...