11 abril 2009

Para os Profundamente Decepcionados


Eu sou alguém profundamente decepcionado. Há muito perdi minha esperança na sociedade, na humanidade, pelo simples fato de que a conheço extremamente bem... E o e-mail transcrito abaixo em sua quase totalidade, retirado da coluna do jornalista Juremir Machado da Silva de 10/04/2009, é uma forma de ilustrar a minha radical e definitiva decepção. Parabenizo a professora Simone Varoni pelo melhor desabafo de um profissional que já li. E parabenizo o jornalista Juremir por tê-lo publicado e por sua constante defesa do magistério.

E-mail: “Olá, meu nome é Simone Varoni, tenho 32 anos e leciono desde os 18 anos... Eu gosto do que faço, sinto-me alegre em estar na escola e amo meus alunos como amigos. Mas o que eu penso em relação ao futuro desta profissão é bastante assustador e preocupante. Não pretendo me aposentar nesta profissão... O QUE ENTRISTECE É QUE A SOCIEDADE SABE QUE GANHAMOS MAL E NADA É FEITO. Enquanto falta material nas escolas, espaço físico, tempo para o professor planejar, realizar projetos, tempo para fazer uma educação livre de verdade, assistimos diariamente à roubalheira, a política de que todos têm direito a uma fatia da corrupção, da troca de favores, do jeitinho brasileiro E ISSO ME DECEPCIONA MAIS E MAIS A CADA DIA.”

“Enquanto isso, nas escolas, mendigamos para trabalhar: fazemos festinhas, rifas, risotos, sopas de mocotó, brechó, saímos no comércio esmolando doações para arrecadar fundos para as escolas, pagamos material para os alunos porque muitas famílias sequer sustentam o lápis, a folha de ofício, o xérox, o caderno... Pensando bem, acho que somos verdadeiras idiotas. Somos pais, mães, médicas, psicólogas, amigas e ainda lutamos para ser profissionais da educação. Arcamos com um peso que está nos estressando, adoecendo, enlouquecendo... ainda corremos o risco de ser agredidas fisicamente, porque verbalmente e moralmente já somos vítimas de muito tempo. EU ME DEMITI DO ESTADO DO RS: professora com formação plena e pós-graduação: salário: R$ 533,00.”

“Não recebi por cinco dias de greve, onde o Estado descontou quatorze dias parados. DEVEM-ME OS DIAS DE GREVE QUE NA REALIDADE NUNCA EXISTIU PORQUE GREVE RECUPERADA NÃO É GREVE, É ENGANAÇÃO. Devem-me os dias em que não estive em “greve”. Leio no jornal que um ilustre deputado gaúcho defendia que não devíamos receber os dias parados... E ele, dias após recebia prêmio em solenidade de festa gaúcha. DEMITI-ME POR DECEPEÇÃO PURA. AQUELA DECEPÇÃO QUE DINHEIRO NENHUM PAGA, CONSOLA OU APAGA. Fico pensando se irão restar professores que ministrem aulas aos meus filhos... acredito que não mais restarão escolas”.

É isso. Os grifos são meus. Eu também me decepcionei profundamente com o magistério público. Eu me demiti do magistério municipal também por pura decepção. A diferença é que me demiti em seis meses de trabalho. Para mim foi o suficiente para ver que o magistério público no Brasil está perdido. Está. E ponto final. E o que mais me decepciona é saber que a sociedade, as pessoas em geral, jamais ficam do lado dos professores. Culpam os professores por tudo e ainda defendem a nossa querida governadora Yeda. Melhor seria que ninguém mais lecionasse em escolas públicas, que todos pedissem demissão. Quem sabe então os professores fossem valorizados. Mas como isso não vai acontecer, só direi o seguinte: Brasil: tu nunca vais sair do teu atraso. És um país vergonhoso. E eu tenho vergonha de ser brasileiro.

2 comentários:

Micheli Pissollatto disse...

Bah, fortíssimo texto. Também tenho vergonha de ser brasileira "/ A educação é um desastre, não estou tendo aulas de geografia e religião até agora, mas no SEC há filas de professores interessados. É, complicado..

Marcus Vinícius Manzoni disse...

Isso vem das raízes, meu caro. Ainda leva uns 600 anos...