21 abril 2009

Eu...

queria deixar
meu eu que é
para ser
o ser que sou
sinto-me ser do sonho
nascente dos ocasos
um largo lago de fins
que me sobra sobre
tristeza e vale
sangrei-me de febres
e em tudo que não fui
estive...
dormi-me de mares
lembrando o ar
da tua alma
queria...
sentir tua essência em sede
em crise
mas estou-me em nada
em nada do que é pensável
e se assim digo de mim
minto

dos iminentes venho
e o todo que sinto
é o tudo que tenho

2 comentários:

Froilam de Oliveira disse...

REIFFER
teu poema atingiu o ápice
do lirismo.
E o livro?

Micheli Pissollatto disse...

Lindíssimo, e triste.