07 abril 2009

As Almas do Fantástico na História do RS - História 5ª: O Final Súbito


Durante a Revolução Farroupilha, no ano de 1839, as tropas federalistas assassinaram três indígenas que cruzavam por um local de vastas coxilhas, numa região próxima ao rio Ibicuí. Os índios assassinados eram músicos, dos melhores da época entre os povos indígenas do sul. Haviam aprendido a tocar seus instrumentos, violino, flauta e violão, nas missões jesuíticas instaladas em solo gaúcho. Os corpos dos índios, que foram covardemente baleados por dois cavaleiros que treinavam suas pontarias, permaneceram sobre a coxilha em que tombaram. Ali apodreceram e serviram de repasto aos urubus. No momento em que foram mortos, não portavam seus instrumentos musicais, apenas alguns punhais que foram levados pelos militares.

Em 1886, por volta das 5h da tarde, o tropeiro José Luiz da Costa conduzia o seu gado exatamente pela região onde morreram os três índios músicos. Ao aproximar-se da coxilha onde jazeram seus restos mortais, o tropeiro principiou a ouvir uma estranha música, cuja origem ele não soube identificar. Chegando a uma vila da região, José Luiz relatou o que ouviu ao padre Antônio Ferreira, o qual anotou sua descrição em um diário que chegou aos nossos dias. Abaixo, estão alguns trechos do relato do tropeiro José Luiz da Costa, conforme redigido pelo padre Ferreira:

“O senhor José Luiz da Costa, jovem tropeiro desta localidade, contou-me hoje que ouviu uma música muito estranha ao cruzar uma região de coxilhas próximas ao rio Ibicuí. Disse o senhor José que escutou um som como um concerto de três instrumentos, que ele identificou com certa dificuldade como sendo um violão, um violino e uma flauta. Tal música, segundo o tropeiro, parecia provir do nada, como que do ar, pois ele procurou exaustivamente pela origem do som, pelo local onde poderiam estar os supostos músicos, porém nada encontrou.”

“Disse-me ainda que a música era belíssima, ‘muito bonita e acalmava gente’, segunda suas próprias palavras, e de uma intensa alegria, algo que ele nunca havia ouvido antes. Mesmo achando muito estranho ouvir uma música que não podia saber de onde vinha e sentindo um certo receio, o senhor José Luiz afirmou, quando por mim questionado, que sentiu-se muito bem ao escutar o som dos instrumentos, algo como uma sensação de tranquilidade e alegria de viver. Completou dizendo que não sentiu nada de tristeza ou de qualquer outro tipo de sentimento grave. O tropeiro não acreditava que a música pudesse ser alguma forma de manifestação sobrenatural, até que mencionei sobre os três índios músicos mortos em 1839. Concluiu afirmando que a música não durou mais que 5 minutos e parou de repente.”

O relato do tropeiro José Luiz da Costa é o primeiro conhecido e documentado sobre a audição de estranhas músicas naquela região do pampa gaúcho. Após esse, vários outros habitantes da localidade relataram experiências bastante similares à vivenciada por José Luiz. No entanto, a grande maioria não foi documentada. Algumas ainda hoje são transmitidas oralmente pelas pessoas mais idosas. O que se percebe em praticamente todas as histórias é que a música sempre parecia provir do ar sobre as coxilhas, que era muito bem executada, e que o som parecia ser o dos mesmos instrumentos que eram tocados pelos índios mortos.

Porém, há um ponto discordante nas várias narrativas. Refere-se ao sentimento, às sensações que a música deixava em seus estarrecidos ouvintes. Nas narrativas mais antigas, algumas do final do século XIX e outras do começo do XX, o sentimento despertado pela música é bastante similar aos descritos pelo tropeiro José Luiz: uma profunda alegria, uma luminosa tranquilidade. Porém, os relatos mais recentes, situados por volta dos anos 1940 até os 1980, descrevem uma música bem menos alegre e serena, porém transmitindo certa melancolia, uma bela e vaga tristeza, que causava alguma inquietação nos corações de quem a escutava. No entanto, em nenhuma das narrativas, seus ouvintes declararam ter se sentido mal ou desconfortáveis, pelo contrário. O que também é perceptível nesses relatos mais recentes é que, conforme mais atuais eles são, maior é a descrição dos sentimentos melancólicos irradiados pela música. O último ponto em comum entre todos os relatos é que os instrumentos invisíveis sempre cessavam de soar de forma súbita, deixando nos ouvintes uma duradoura e intensa sensação, a qual sempre era comentada com alguma espécie de receio ou inquietação não explicável.

Entre os raros relatos escritos sobre o caso, há um de 1968 deixado por Maurício Crestani Borges, onde ficam claras as diferenças de sentimentos despertados pela música, quando comparado com o relato de 1886. A descrição realizada por Maurício Borges é bastante precisa e bem elaborada, uma vez que o mesmo era escrivão da polícia civil na cidade de Porto Alegre. Maurício realizava uma pescaria no rio Ibicuí, quando foi surpreendido pelas misteriosas melodias. A seguir, os trechos mais importantes do relato do escrivão:

“Aquela música surgiu de repente, como que do nada, e deixou-me um tanto perplexo. Já havia escutado comentários sobre supostas músicas fantasmais que de tempos em tempos eram ouvidas naquela região do vale do Ibicuí. No entanto, nunca dera real atenção aos boatos. E não é que acabei sendo umas das testemunhas! Por volta das 18h, quando dava uma caminhada pelo campo, ouvi o som de um violão. Olhei atentamente ao meu redor, não vi nada, apenas um céu azul bordado de nuvens, infindas coxilhas que se perdiam no horizonte e, pelo outro lado, uma bela mata verdejante.”

“Segundos após o som do violão, surgiram melodias de flauta (creio que era uma flauta, talvez um clarinete) e violino, todas belíssimas, maravilhosamente executadas. Nesse instante, lembrei-me com certo medo, das narrativas sobre a música fantasmagórica. Procurei pela mata até cansar, subi e desci coxilhas, mas realmente não havia ninguém nas imediações.”

“As melodias permaneceram constantes e intensas por cerca de 5 minutos, ao que cessaram subitamente e de forma muito estranha. A música transmitiu-me uma sensação de dilacerante tristeza, ainda que fosse muito bela. Tocavam o coração de uma maneira esquisita e pungente, e eu teria ido às lágrimas, não estivesse um tanto assustado e confuso. Posso dizer que me sentia bem ouvindo aquelas melodias, porém uma sensação de profunda dor e inquietação espiritual tomou conta de mim após o final inesperado e abrupto que ainda não consigo esquecer e muito menos expressar...”

Esse é o relato do escrivão Maurício Borges. E agora, para finalizar, deixarei o meu relato. Sim, eu estive no local, com a precisa intenção de ouvir os músicos invisíveis. Acampei em agosto de 2008 na região de onde se originaram as narrativas. Vaguei pelas coxilhas supostamente assombradas durante as manhãs, tardes e as noites de quase toda uma semana, até que no princípio da noite do 6º dia de meu acampamento, uma desolada melodia de flauta iniciou a entristecer meus ouvidos.

Em seguida, surgiram as notas lúgubres de um violão desesperado, que foram imediatamente repetidas em cânone, de forma trágica, pela beleza mórbida de um violino. Sentei-me sobre o campo e mergulhei extasiado naquela música de sofrimento indizível. Uma sensação de sangue sendo derramado e um clima absolutamente sombrio de ocaso iminente tornaram-se quase que palpáveis pelos ares densos da noite que iniciava.

Os músicos invisíveis foram intensificando a força de execução, e a música, em um furiosíssimo crescendo, assumiu uma velocidade frenética e sublimemente desesperada. Aquele som enfebrecido encerrou-se de uma forma anômala, canhestramente súbita, deixando uma sensação arrepiante, catastrófica, apocalíptica. Eu estava sentado sobre as coxilhas do pampa. Insano. Chorei.

5 comentários:

Abnoba disse...

Saudações Reiffer! Muito bom, quase acreditei nos relatos históricos. Na verdade, a sensação que fica é de grande curiosidade para ouvir a dita música! Mas suas descrições como sempre nos levam a sentir o que está dizendo e imaginar... Abraço e força!

M. D. Amado disse...

Fica cada vez mais difícil comentar seus textos, sem recorrer a palavras como: maravilhoso, sensacional, excelente.

Pegando carona no que disse o Abnoba ai, as suas descrições pintam a cena diante de nós.

Abraços horripilantes (também gostaria de ouvir essa música)

Marcus Vinícius Manzoni disse...

Cara, esse conto ficou demais. Curti pra caramba, recorro às palavras da mestra Rosane Vontobel, que diz: "Entendam agora a complexidade da vida."

Micheli Pissollatto disse...

Concordo com os comentários anteriores. É difícil falar sobre este texto.. sublime e intenso.

A. R. T. disse...

Bahhh, muito bonito!