06 setembro 2008

Poema Farto

estou farto de poeminhas sintéticos
de besteirinhas minimalistas
de piruetazinhas intelectuais
que falando pouco
não dizem nada
que o dizer da poesia
é o sentir
e eu já não sinto nada
em tantos cortes de palavras
que podaram a alma
e caparam o coração

se o Romantismo
libertou-me por dentro
e o Modernismo
me liberou por fora
irei me condenar agora
a uma prisão pós-moderna
esfriar meu sangue
no gelo estéril da mente
arrancar minhas asas
com a faca de cortar poemas?

se o leitor tem preguiça de ler
não é leitor
se não é leitor
não ama a poesia
se não ama a poesia
é melhor que nem leia
não farei piadinhas curtinhas
pra preguiçoso ler

não faço poemas
para serem entendidos
faço para serem sentidos
quem busca entender
não consegue sentir
não escrevo para inteligentes
escrevo para sensíveis
que por serem sensíveis
são mais inteligentes
que os que são só inteligentes:
a humanidade não precisa de inteligência
precisa é de alma

a poesia
dos últimos tempos
dispensará as brincadeiras do intelecto
para gravitar na gravidade
dos últimos tempos
da poesia

2 comentários:

Marcus Vinícius Manzoni disse...

Muito bacana o quanto o curso de Letras estuda seus poetas locais, né?

Ana disse...

Boa, Alessandro;D Vou te 'roubar' um trecho, posso?

Abraço