19 agosto 2006

Menstruada

má/guada...
des/manchada
em derramamentos
tu te purificas
ex/pulsando
lágrimas de útero

choros sanguino
lentos
lentos
pelas tuas pernas

vermelhas pétalas
das cho/rosas murchas
do jardim quente
do teu ventre em chuvas

eu absorvo tuas dores
melan
cólicas

3 comentários:

Agnes Mirra disse...

Essa foi a primeira poesia que li, lá no RPG-X, e é profundamente fascinante...

Ana Claudia R.T disse...

Maravilhosa como sempre!!!

Victor Said disse...

Pensei em vir até aqui para pegar o seu primeiro poema postado em O Fim (suponho) e me deparo com algo inusitado, um poema que eu jamais imaginava ler, e o li. Sua sensibilidade com essa arte de versejar é realmente extraordinária, pois consegue transformar qualquer mote em ouro.